Gal Gadot estampa a capa da revista colombiana de novembro, Rolling Stone. Na matéria, a atriz fala sobre Mulher-Maravilha 1984, seu amor pela personagem e muito mais. Confira a tradução da matéria a seguir.

Gal Gadot e Chris Pine nos trazem a sequência de Mulher-Maravilha, um romance entre um soldado atormentado e uma semideusa super-heroína. Conversamos com exclusividade com o elenco do segundo filme da Mulher-Maravilha.

por Diego Ortiz

Gal Gadot está do outro lado da mesa. Seu olhar é intimidante e estático. Ela usa um macacão bege, salto alto, várias pulseiras nas mãos e seu cabelo está bem penteado. Sua presença pode ser esmagadora, mas ela é calorosa e amigável. Por um momento, sinto como se estivesse falando com alguém que já conhecia. Ela não me faz sentir um estranho em busca apenas de histórias e relatos sobre sua vida. Ela está sempre sorrindo e seus comentários são espontâneos e genuínos. Ela não está interessada em fingir e diz o que pensa. “Essa personagem mudou a minha vida, sabe“, ela responde quando começamos a falar sobre a maior super-heroína de todos os tempos.

No primeiro filme, Gadot, de 35 anos, levou a personagem para um lugar tão humano que nos fez reconectar imediatamente com a franquia, talvez precisamente pela força de um roteiro atípico em que sua protagonista nunca pretendeu se tornar uma heroína . “Eu nunca fui muito geek. Eu obviamente conhecia a Mulher-Maravilha e minha principal referência era Lynda Carter. Mas eu nunca tinha lido histórias em quadrinhos.

Nisso, Gadot é como sua personagem: ela não quer ser uma heroína.

Estamos falando, principalmente, da segunda história, o filme mais esperado do ano, Mulher-Maravilha 1984, de como ela venceu os medos de se superar e de como levar a personagem ao próximo nível, algo que ela parece fazer sem muita dificuldade. Gal Gadot nasceu para ser a Mulher-Maravilha na tela e fora dela, ela é uma super mulher.

O que você acha do fascínio que as pessoas têm por filmes de super-heróis?
Bem, este é um assunto que quase todo mundo gosta, é popular. Todo mundo conhece o Superman e o Batman. Eles são personagens que vêm de pessoas rejeitadas pela sociedade de alguma maneira. Todos temos aquele momento ou estágio na vida em que sentimos que não nos encaixamos, que somos rejeitados ou que queremos ser como os outros, e a maneira como esses personagens enfrentam seus desafios e traumas é inspiradora, é uma maneira incrível de escapismo. Supera a realidade.

Como você pode ser fiel a uma personagem tão icônica?
Sou uma grande fã da Mulher-Maravilha, ela sempre me encantou e ela era a única personagem feminina de todos os super-heróis que eu conhecia. Para mim, ter a oportunidade de interpretá-la foi algo importante. Desde o início, o estúdio percebeu o potencial e o impacto que a personagem tem, mas eu queria maximizá-lo. Eu acho que quando você faz um filme, tudo se baseia no roteiro. Ele é como a sua Bíblia. Então, antes de mais nada, certifiquei-me de ter entendido totalmente a personagem, sua jornada, suas intenções e desejos. Para mim, uma das coisas mais importantes foi mostrar a vulnerabilidade dela, porque para nós seria muito difícil nos identificarmos com uma deusa, ela tem tudo, ela sabe de tudo, é super forte… invencível. Mas, principalmente, o encanto da Mulher-Maravilha é que ela é vulnerável, ela tem um coração enorme e é cheia de compaixão. Considero que todos esses traços ecoam em mim como mulher.

Portanto, você se identifica com o comportamento da sua personagem?
Sim claro. Eu sou justo, sou compassiva e me importo com as pessoas. Sou uma pessoa social, amo as pessoas e quero que todos estejam bem. E sou empática, como ela.

Você se inspirou em outras personagens femininas?
Lembro-me de assistir a um documentário sobre a princesa Diana, muito antes de começar a filmar. Havia algo sobre ela ser da família real e ser intocável, algo que nunca poderíamos nos identificar, só admirar e ter curiosidade sobre isso. Mas o que era especial sobre a princesa Diana era que ela tinha um coração puro e fazia muito pelas pessoas necessitadas e pelas pessoas com HIV. Isso me inspirou, aquela combinação de ser parte da família real, mas ao mesmo tempo ser tão sensível e se preocupar tanto com os outros. Isso ressoou em mim e eu queria mostrá-lo.

Você acha que, com o tempo, o papel das mulheres nos filmes de ação mudou?
Acho que ele se tornou mais popular, adoro isso e espero ver mais. Acho que, aos poucos, os estúdios e as pessoas estão entendendo que as histórias de mulheres também têm boa bilheteria em filmes de ação e isso é importante para nós.

Depois de dois filmes e de ser uma das diretoras mais importantes da indústria, o que você aprendeu com Patty Jenkins?
Muito, por onde eu começo? Patty é uma das minhas pessoas preferidas no mundo e estivemos nas trincheiras juntas, então nosso relacionamento é baseado em antes da Mulher-Maravilha e depois da Mulher-Maravilha. Ela é uma das minhas melhores amigas. No segundo filme, eu disse a ela que ela trabalhava como uma espada japonesa; ela é muito precisa, sabe exatamente do que precisa, o que ela quer, como conseguir e está fazendo isso de maneira muito elegante, gentil e surpreendente, ao mesmo tempo que é assertiva e eficaz. Isso exige habilidade, então quando eu não tinha que gravar, eu ia ao set vê-la trabalhar. Ela é incrível, é realmente inspiradora.

Você acha que ajudou o filme o fato de ele ter sido dirigido por ela e não por um homem?
Trabalhar com cada diretor é diferente, cada um traz sua personalidade e as pessoas são diferentes. Então, não acho que seja uma questão de gênero, apenas é diferente. Pessoas diferentes, dinâmicas diferentes, química diferente.

Mas há alguma sensibilidade feminina específica para carregar essa história?
Não tenho certeza de que seja isso, mas tenho certeza de que Patty, sendo a diretora, é fundamental para o filme e para a personagem. Não porque ela seja mulher, mas porque ela é a diretora indicada com a visão certa para contar as histórias da Mulher-Maravilha. Acabei de finalizar um filme com Kenneth Branagh, Morte no Nilo. Ele é um diretor homem e eu também foi muito bom trabalhar com ele. Considero que o diretor é alguém que tem traços maternos e paternos e consegue movimentar o grupo de maneira boa e produtiva. Mas, essencialmente, não tem a ver com o gênero, mas com a qualidade das pessoas.

Como foi a experiência de filmar esse segundo filme? Mudou algo em relação ao primeiro?
Foi como voltar para casa, o processo de filmagem desses tipos de filmes e a preparação exigem muito tempo e trabalho. Gravamos por oito meses e em tempo humano é uns cinco anos, porque gravamos todos os dias, às vezes até seis dias por semana. Temos muita sorte de ter as pessoas que trabalharam neste filme, porque entre Kristen, Chris, Pedro, Patty e eu, tudo foi incrível e muito divertido, éramos literalmente como um time de basquete, foi um esforço mútuo e muito divertido. Assim como foi exigente e intenso, ainda aproveitamos da companhia de todos.

Neste filme, vemos uma grande quantidade de cenas de ação. Como foi o processo de preparação? Mudou alguma coisa? Está ficando cada vez mais fácil?
Não, não! E o fato é que, quando você faz uma sequência, a expectativa é maior, embora em um filme desse calibre as expectativas sejam sempre altas, e agora temos que aumentá-las ainda mais. O que eu mais gostei nas sequências de ação é que quando você assiste a esses filmes de super-heróis, geralmente o herói é um homem e luta como um homem, mas quando você faz um filme assim com uma mulher, somos nós e não lutamos como homens. Eu sou mulher, como uma mulher luta? Quem sabe?

No início, Patty e eu levamos nossos filhos para ver a apresentação de Cirque du Soleil, e eles têm cabos e fazem todas essas coisas malucas, foi lindo. Patty me disse que toda essa arte foi uma inspiração incrível para as lutas. “Ela é tão feminina, elegante e sexy, e pode ser muito forte e fina.” Tornou-se a nossa inspiração, então com a equipe da dublês criamos algo que não havia sido feito antes. Grande parte da ação é real porque a Patty gosta de filmar tudo o que pode ser real, então, contanto que possamos fazê-la, a ação é real e crua. Eles criaram uma infraestrutura totalmente nova para filmar as cenas de ação no ar e precisavam ter certeza de que ninguém odiaria ninguém depois. Houve muito trabalho prévio para que pudéssemos dançar e lutar no ar, conectados aos cabos. E foi lindo, e por sermos todos atores, sentir que estou fazendo algo tão novo, diferente e forte, foi incrível. Foi muito trabalho e tivemos que aprender muita coreografia e treinar muito para ter certeza que poderíamos fazer tudo isso, mas valeu a pena.

No primeiro filme, a grande química entre você e Chris Pine era evidente, como foi estarem juntos novamente?
Eu o adoro, ele é um amigo muito querido e é muito talentoso, é muito fácil de trabalhar com ele. Ele sempre tira sarro de mim, isso sempre quebra o gelo. Foi ótimo, fiquei muito feliz que Patty encontrou uma forma de trazê-lo de volta, pois ele é parte integrante do filme e de seu sucesso. Mas, obviamente, ele nunca teria voltado a menos que houvesse uma boa razão e eu acho que eles acertaram em cheio. Foi divertido tê-lo de volta e foi ótimo.

O que você acha da mudança de tom em relação ao primeiro filme?
O tom é diferente, mas o universo com o qual se trabalha é semelhante, por isso não é algo abrupto. Você não será um filme diferente, ainda tem o espírito do primeiro, que é eletrizante e charmoso e tudo mais. Essa é uma parte incrível de ter uma diretora maravilhosa, que faz vários filmes de uma só coisa.

O humor é fundamental neste filme, como vocês desenvolvem essa linguagem?
Basicamente, quando você assiste a filmes, é como na vida, a vida é melhor quando você brinca sobre as coisas e zomba de si mesmo. Principalmente quando você assiste a um filme, acho fundamental que o público receba esses presentes em forma de diversão. Acho que é essencial e fiquei com muita inveja de que Kristen, Pedro e Chris contavam as melhores piadas. Houve, literalmente, momentos em que ficamos tristes e eles esperavam para contar a melhor piada e eles são tão bons que eu tive que permanecer no personagem e ser a Diana. Há muito humor e diversão no filme.

Como você se sente quando vê que as pessoas querem se vestir como a Mulher-Maravilha? Homens, crianças…
Incrível, honrada e orgulhosa disso. Quando chega o Halloween, eu sempre saio para pedir doces com as minhas filhas e uso uma máscara para não ser reconhecida, estou sempre procurando garotas vestidas de Mulher-Maravilha. É genial.

Você guardou alguma lembrança, como um amuleto, desse filme? Talvez alguma parte do guarda-roupa?

Sim, mas aprendi com o primeiro filme, do qual não guardei nada. No segundo, eu sabia que tinha que ficar com alguma coisa, mas não sabia o que, então peguei alguma coisa do set. [Risos] E não vou dizer o que foi, pois não quero me meter em problemas.

Quando você se sente vulnerável?
Provavelmente com os paparazzi e coisas assim, especialmente quando estou com minhas filhas. Na vida, me sinto vulnerável por várias coisas, mas acho que na vida pública é quando os paparazzi aparecem e as pessoas que se aproximam são agressivas.

Em suas entrevistas, Chris Pine, Pedro Pascal e Kristen Wiig falaram sobre trabalhar com Gal Gadot e suas impressões da atriz.

O que você acha de Gal como colega de trabalho?
Chris Pine:
Ela não parece se deixar afetar por Hollywood e suas armadilhas. O que define Gal é a sua positividade excessiva, ela sempre vê o copo metade cheio. Não dá para tirar aquele sorriso do rosto dela, ela está criando duas filhas, trabalha muitas horas e nunca reclama, eu faria exatamente o contrário. Ela é uma mulher casada com duas filhas. Ela não precisa do conselho de ninguém. Foi criada por boas pessoas, bons amigos e uma boa família que a rodeia, é uma pessoa honesta.

O que o surpreendeu em Gal como pessoa?
Pedro Pascal:
Achei que ela fosse mais baixa [risos]. Não muito, acho que o que me surpreende é que todos nós vimos o primeiro filme e nos apaixonamos pela interpretação dela da personagem, e quando você a conhece você entende o porquê. Acho que nem sempre ela consegue traduzir quem ela é completamente e compartilhar isso com todos através da câmera, isso é algo muito raro e especial, mas muito real. Quando estávamos gravando, as pessoas me perguntavam muito: como é a Gal? Ela é uma amiga maravilhosa, mãe, colega de elenco, produtora, atriz, ela é aberta e corajosa.

Quando você começou a trabalhar no filme, como foi sua conexão com Gal e Patty? Foi instantâneo ou demorou um pouco?
Kristen Wiig: Quando cheguei em Londres, eu estava muito nervosa, nunca tinha participado de um filme tão grande, em uma franquia de super-heróis. Tive que me mudar para Londres por nove meses e ao ver Gal e Patty, foi tudo muito acolhedor, muito caloroso, foi de imediato. Conversamos e nos conhecemos muito rapidamente, foi tão engraçado e instantâneo, eu era um grande fã e adorei o primeiro filme. E quando você vê alguém na telona, você tem uma leve ideia de como essa pessoa é. Ao vê-la em Mulher-Maravilha e em suas entrevistas, eu sabia que ela era uma pessoa com quem eu me daria bem.

Trabalhar com um superstar como Gal foi como você esperava?
Kristen Wiig: Conhecendo Gal tão bem como conheço agora… posso dizer que ela é muito grata e tive muitas oportunidades de confirmar. Ela não se deixou levar pela fama ou pelo sucesso dos grandes filmes. Ele é uma ótima profissional e pessoa.