Gal Gadot é o recheio da revista inglesa UK! Magazine, edição de 18 de janeiro. A atriz falou sobre suas filhas, o amor pelos fãs e pela sua personagem em Mulher-Maravilha 1984 e o empoderamento de homens e mulheres.

A atriz de Hollywood, Gal Gadot, fala sobre interpretar uma super-heroína imperfeita e sua missão de empoderar as mulheres

Por Alan Tanner

É um novo ano e a atriz Gal Gadot está mais do que pronta para o que quer que a vida possa lançar em seu caminho. A jovem de 35 anos alcançou a fama como o super-heroína icônica no filme de 2017 Mulher-Maravilha e na sequência mais recente, Mulher-Maravilha 1984.

Ela pode ser vista mais para frente este ano reprisando o papel na série de TV da Liga da Justiça [nota da tradução: o Liga da Justiça de Zack Snyder será agora um filme] e também estrelando o filme Red Notice, da Netflix. A ex-Miss Israel 2004, que é casada com o empresário holandês Yaron Varsano e mãe de duas filhas – Maya, de três anos , e Alma, de nove – se orgulha de ser um modelo não apenas para elas, mas para jovens de todo o mundo.

Agora sendo a terceira atriz mais bem paga do mundo, ela cumpriu seu serviço militar obrigatório no exército israelense quando tinha 20 anos e depois começou a estudar direito, enquanto era modelo e atuava.

Aqui, Gal fala sobre igualdade salarial para mulheres, o quanto ela ama seus fãs e revela que ela é uma moleca de coração…

Oi Gal. Como se faz um super-herói ser familiar?
Achei que ajudaria se mostrássemos os defeitos dela e que ela não é perfeita. Ela pode ser a maior guerreira e, ao mesmo tempo, ainda ser ingênua, curiosa e direta. Ela pode estar focada em sua missão, mas também preocupada. Particularmente, adoro o fato de ela ser assumir isso, ela sabe que não é perfeita e está tudo bem. Isso é o que a torna interessante.

Conte-nos sobre a sua versão da Mulher Maravilha…
Para mim, era muito importante que eu não retratasse a Mulher-Maravilha como alguém agressiva ou como uma mulher fria só porque ela é forte. Ela não é disso. Também foi importante para mim que a personagem fosse universal e alguém com quem as pessoas se identificassem.

Quando você se sentiu uma Mulher-Maravilha pela última vez na vida real?
Quando tive minhas duas filhas. Sei que parece piegas, mas você se sente uma Deusa quando dá à luz seus filhos. É tipo, “Eu fiz isso!” A melhor sensação do mundo é ser mãe e dar vida.

Como você escolheu os lindos nomes delas?
Maya recebeu seu nome em homenagem a [poetisa e ativista dos direitos civis americana] Maya Angelou. Em hebraico antigo, Alma significa universo e em espanhol significa alma. Acho os dois nomes lindos. Sou muito grata por ter duas garotas lindas e saudáveis.

Você estava grávida de Maya quando interpretou a Mulher-Maravilha no filme de super-heróis de 2017, Liga da Justiça. Como sua segunda gravidez se compara à primeira?
Fiquei muito mais nervosa com minha primeira gravidez, mas com a Maya fiquei à vontade. É diferente porque você tem essa experiência, quando tem um segundo filho. Quando a Maya nasceu, senti que precisava empoderar a Alma, porque ela seria quem passaria pela grande mudança em sua vida ao ter uma irmãzinha. Maya só precisava de carinho e calor. Alma era quem precisava de atenção. Ela é uma irmã mais velha incrível.

Você tem fãs em todo o mundo. Qual história de fã mais te marcou?
Um homem me disse que levou o filho ao cinema para ver Mulher-Maravilha e, quando o filme acabou, o filho estava tão feliz e empolgado. Ele disse: “Quando eu crescer, quero ser mulher“. Para mim, foi uma vitória, porque sempre falamos em empoderar as mulheres, mas somos 50% do mundo. Não podemos empoderar um lado sem educar o outro lado e levá-los conosco. Precisamos que os dois lados estejam juntos nisso. O fato do filme dialogar com todos os diferentes tipos de pessoas realmente chama a atenção ao meu ver.

Como foi fazer outro filme da Mulher-Maravilha?
Estou extremamente feliz de trazer mais um filme da Mulher-Maravilha ao mundo. Talvez seja porque eu sou mãe de duas meninas ou talvez não tenha nada a ver com isso… Talvez seja só porque eu sou uma mulher? Seja qual for o motivo, estou muito feliz em interpretar esta personagem incrível.

O traje icônico da Mulher-Maravilha recebeu um upgrade de ouro em Mulher-Maravilha 1984. No início, o que você achou do novo visual dela?
Quando decidimos tentar outro traje, fiquei muito animada. E quando [a diretora] Patty Jenkins me mostrou o que tentaríamos, eu fiquei maravilhada. Achei o traje fantástico, mas não parecia nada confortável. Eu fiquei tipo, “Tá, como fazemos o dourado ser prático e confortável?” Bem, não era. Mas ficou ótimo e valeu a pena.

O quanto você gosta de trajes como esses?
Eu não sou uma garota feminina. Posso usar salto alto, mas não gosto deles. Quando mais nova, eu era uma moleca.

Foi fácil usar a roupa normal da Mulher-Maravilha?
Ela é bastante confortável, mas não era no começo. Dois dias depois de me escalarem para o papel, eles me trouxeram a Michigan para fazer as provas. Entrei nesta sala enorme onde havia uma quantidade enorme de imagens minhas como a Mulher-Maravilha. Eles me levaram para o provador e eu coloquei o traje, o que foi uma loucura. Fiquei tão grata, agradecida e feliz por estar lá que não disse uma palavra sobre o fato de que o traje era incrivelmente pequeno e justo. Eu apenas dizia: “Obrigada por me receber.” Daí comecei a ficar ofegante e não conseguia falar direito, então o designer fez muitos ajustes.

Muito se falou sobre você ganhar menos do que outros atores de super-heróis com o seu primeiro filme da Mulher-Maravilha…
O que direi sobre isso é que a Warner Brothers me deu a oportunidade de assumir esse papel e prosperar com ele. Sem eles, eu não estaria sentada aqui. Fiquei muito feliz e faria isso de graça. No entanto, existem outras maneiras de melhorar as coisas.

Como uma das principais atrizes de Hollywood, qual a importância de lutar pela igualdade salarial?
É muito importante. Antes de ser atriz, eu era uma mulher que era muito justa. Por causa da personagem que interpreto, agora há ainda mais responsabilidade em garantir que as coisas aconteçam da maneira certa.

Você é boa em falar em situações de negócios?
Eu me cerco de pessoas que são muito inteligentes e fazem tudo da maneira mais elegante, mas também são muito firmes.

Veja a matéria original em nossa galeria.

Inicio » Revistas | Magazines » 2021 » Jan | OK! Magazine [Reino Unido]