Gal Gadot foi capa da revista espanhola Mujer Hoy de 29 de agosto de 2020. Na matéria, Gal Gadot falou sobre Mulher-Maravilha 1984, sua carreira e deu dica para as meninas que aspiram uma carreira de atriz. Confira a seguir a matéria traduzida na integra.

A atriz israelense encarna, em Mulher-Maravilha, o poder feminino em um mundo (cinematográfico) repleto de super-heróis. E ela aprendeu muito com isso.

Falar com uma celebridade é, de certa forma, como atravessar a tela e chegar a um espaço onde o extraordinário se torna comum e, por isse motivo, extraordinário novamente. Embora a era das divas do cinema tenha praticamente acabado, há atrizes que tornam mais fácil do que outras atravessar a fronteira nítida entre a privacidade e o domínio público da fama; aquelas que não hesitam em se apresentar como “seres normais”, talvez desejando realmente essa normalidade. É o caso de Gal Gadot, a atriz israelense de 35 anos que se tornou famosa no mundo todo por seu papel de Mulher-Maravilha. E o que poderia ser melhor do que ser a Mulher-Maravilha, essa super-heroína da DC Comics que nada mais é do que a filha de Zeus e a Rainha das Amazonas? Nada de diva ou divino emana de Gadot ao falar com ela, apesar de ter se tornado, em apenas três anos, uma verdadeira estrela de Hollywood – em 2017, o primeiro filme da Mulher-Maravilha bateu recordes de bilheteria e arrecadou 822 milhões de dólares. Sua proximidade é surpreendente, principalmente porque seu jeito de olhar, falar e gesticular são os de sua personagem, com aquela voz um tanto arranhada e sorridente, inseparável (para sempre?) da personagem benevolente da semideusa grega.

Se você cair, levante-se e continue andando, até atingir sua meta.” – Gal Gadot

Mas ela não se vê, ou é incapaz de se ver, como o mundo inteiro a viu e continuará a vê-la na tela. “É engraçado porque eu não penso nisso. Na verdade, às vezes, quando assisto ao filme, tenho que me lembrar que sou eu,” diz a atriz israelense rindo.

Gal Gadot fez sua estreia como figura pública aos 18 anos, quando foi eleita Miss Israel. Ela já foi modelo, dançarina (balé, dança moderna, hip hop) e, antes disso, uma menina que passou uma infância idílica, segundo ela, cheia de inocência e brincadeiras ao ar livre. “Tive uma infância muito gostosa e feliz,” ela diz sem hesitar. “Mesmo que não tivesse celular e que não me deixassem assistir TV de tarde, em casa, eu estava sempre brincando ao ar livre com meus amigos. Procuro dar às minhas filhas a infância que tive.” Ela não havia considerado atuar até que lhe foi oferecida a oportunidade de aparecer na série Bubot, em sua terra natal, Israel. A transição dela de modelo para atriz foi “bastante suave“, ela agora admite.

Seu primeiro papel em um filme estadunidense veio em 2009, com a quarta parte da franquia Velozes e Furiosos (Fast and Furious). Ela conseguiu o papel, em parte, por causa de sua experiência com armas de fogo. Ele aprendeu a lidar com elas no exército (o serviço militar é obrigatório em Israel para homens e mulheres). A sua experiência no exército também lhe ensinou, diz ela, valores que a ajudaram em sua carreira de atriz. “O exército te dá disciplina. Te ensina a perceber que não se trata de você, mas do grupo, da comunidade. Ele te ensina a trabalhar em equipe,” reconhece.

Aquela primeira experiência internacional a fisgou completamente. “Acho que então percebi a dinâmica da filmagem e como é maravilhoso atuar. Eu sempre me apresentava para o público, desde criança, como bailarina, mas nunca pensei em ser atriz. Mas com Velozes e Furiosos percebi o quanto é divertido. Você atua, aprende o roteiro, viaja, conhece gente… Achei muito mais interessante do que estudar Direito [risos] e decidi que queria continuar tentando.” A tentativa, porém, foi mais difícil do que ela pensava e demorou vários anos para a atriz estrelar um filme estadunidense.

O papel da Mulher-Maravilha (Diana de Themyscira) veio a ela quase milagrosamente, como se tivesse sido jogado nela pelo próprio Zeus do Olimpo. Poucos meses antes de ser confirmada, Gadot decidiu, desesperada e sem esperança, ou talvez aceitando calmamente seu destino, que ela nunca mais tentaria atuar em um filme fora de Israel. Com muitas rejeições e testes que levaram a nada mais do que arrastar sua família de um lugar para outro, ela jogou a toalha logo após fazer o teste para estrelar um filme de super-herói, Mulher-Maravilha. “Quando voltei para o meu país, fiz com a certeza de que aquele filme não seria para mim. Nem é que eu tivesse aquela paixão que outras atrizes têm por atuação. Em vez disso, pensei: ‘Bem, retomo minha carreira em Direito Internacional e é isso.’” Mas desta vez, a sorte ou os deuses estavam do lado deles.

Nos dois filmes de Mulher-Maravilha, a atriz aparece com os atributos físicos próprios das super-heroínas dos quadrinhos: forte, ágil e sensual. O treinamento militar teve muito a ver com o seu condicionamento físico espetacular? “Sempre fui super atlética, por isso é difícil saber se o exército contribuiu para a minha preparação física ou não. Sempre pratiquei muito esporte; minha mãe era professora de educação física e, quando criança, eu jogava basquete, vôlei e tênis o tempo todo.

O que ela teve que fazer foi se submeter a um treinamento especial por cinco meses para se tornar a superpoderosa Diana de Themyscira: uma combinação de artes marciais, velocidade e exercícios cardiovasculares que a prepararam para se mover com incrível agilidade. Durante a filmagem de uma das cenas, a atriz teve que correr em alta velocidade, enquanto era sacudida e desviava de obstáculos. “Foi incrível. Eles fecharam vários quilômetros da Pennsylvania Ave [em Washington] e eu tive que correr na velocidade de Usain Bolt. Foi exaustivo, mas valeu a pena, porque dá autenticidade ao filme.” Tentando correr na velocidade do homem mais rápido do planeta, mas pouco tempo após dar à luz sua segunda filha. Isso realmente soa como uma verdadeira Mulher-Maravilha.

A atriz israelense, que se casou com o empresário Yaron Varsano há 12 anos, tem duas filhas: uma de nove anos e outra de três. “No início deste ano, estabeleci como objetivo dar o meu melhor em casa e me sentir menos culpado pelo que não posso fazer. Sou uma mãe muito envolvida, sou muito próxima das minhas filhas e procuro sempre me certificar de ser a primeira pessoa que elas veem de manhã e a última antes de dormir. Lembro-me de quando tive minha primeira filha, perguntei ao meu marido como íamos fazer [conciliar trabalho e família]. Ele me disse: ‘Faça o que quiser, mas pense também no exemplo que você quer dar à sua filha.’ E isso teve um efeito muito profundo em mim. Quero que elas saibam que são capazes de fazer o que quiserem, sem limites,” explica.

Se há um conselho que dou às meninas que querem ser atrizes quando crescerem é nunca levar a rejeição para o lado pessoal. É um dos motivos pelos quais não quero que minhas filhas sigam minha carreira,” diz Gadot. E parece que, apesar do sucesso finalmente ter chegado, ela ainda tem o sabor amargo das derrotas sucessivas. “É difícil não levar para o lado pessoal, quando você é julgado com base em como você age, mas na realidade não é. Assim, recomendo que elas tenham muita persistência. Se você quer algo, vá atrás. Se cair, levante-se e continue caminhando até chegar ao seu objetivo. Se lhe derem um papel, chegue preparada, chegue na hora certa, aprenda bem o roteiro. E, acima de tudo, divirta-se,” ela diz, deixando escapar uma gargalhada poderosa e sonora que se perde na luz dourada da tarde na Califórnia.

Inicio » Revistas | Magazines » 2020 » Ago | Mujer Hoy [Espanha]