Entrevistas

GQ | “Gal Gadot detona” – Matéria traduzida e vídeos

Confira as imagens e a tradução da matéria sobre Gal Gadot, escolhida a “Mulher do Ano de 2017” pela revista GQ, publicada na edição de dezembro de 2017 da revista norte-americana.

A Gal da porta ao lado

A Mulher-Maravilha esteve conosco por décadas, mas 2017 foi o ano em que ela realmente conseguiu o sucesso que ela merecia, e agora, Gal Gadot, a verdadeira ex-soldado que a interpreta é a Mulher-Maravilha para sempre. Caity Weaver foi para as praias de Tel Aviv com Gadot e seus muitos (muitos) fãs.

Por Caity Weaver

O dia em que conheci a Mulher-Maravilha à beira-mar é um dia perfeito de praia, seguido de vários ininterruptos dias de praia perfeitos. O sol está esplêndido. O céu está um ostentado azul. As pessoas de Israel estão usando tênis brancos e fazem vigorosos exercícios nos parques de fitness gratuitos que colorem em cores primárias a costa de Tel Aviv. A água é tão quente e tão salgada como uma pia de lágrimas. O sanduíche de ovos é inesperado.

A Mulher-Maravilha me trouxe o sanduíche de ovos embrulhado em papel celofane e, quando chega, o entrega para mim com confiança, como se eu tivesse pedido o lanche. Ela também me trouxe uma toalha de banho branca e fofa de sua própria casa. A Mulher-Maravilha está acostumada a cuidar de tudo, pois ela é a protetora da humanidade.

Aqui no mundo real, a Mulher-Maravilha é Gal Gadot e o estilo pessoal de Gal Gadot fora da câmera é como a de uma moradora de uma ilha deserta que recebe pacotes regulares de roupas de da última coleção das melhores casas de moda de luxo do mundo. Ela chega na praia com o cabelo em um coque, usando chinelos de borracha velhos, shorts jeans tão surrados que chega a ser desconfortável e um maiô de alta costura preto de couro, com mangas meia cava, um decote profundo e um campo de flores e folhas cortadas e bordadas a laser. É um traje de banho projetado para ser usado mais na teoria do que na prática, mas ainda assim parece funcionar como o traje de banho casual de Gadot para se misturar. Eu o reconheço de uma recente publicação do Instagram de Gadot em uma piscina com as amigas. Quando menciono isso, ela contorce o rosto, fingindo estar preocupada: “Não posso acreditar que eu usei o mesmo maiô duas vezes!” Eu expresso a minha preocupação que ela será vista pelos fãs, porque ela basicamente chegou à praia vestindo uma fantasia de Gal Gadot. Ela ri e se joga sob a sombra de uma barraca pública.

A coisa mais linda em Gal Gadot é o sorriso dela – ele é verdadeiro, devastador, aparecendo de supetão frequentemente, para o perigo daqueles à sua volta -, mas as outras coisas também são boas. Ela possui características que fazem com que os cosméticos sejam espalhafatosos, como usar caneta grifa-texto para contornar as asas de uma borboleta. A altura dela, 1,78m, e a sua magreza se comportam como cores complementares, a estatura enfatizando a esbeltez e vice-versa. Mas a magreza de Gadot não a faz parecer pequena. Ela possui a estrutura óssea de uma estátua delicadamente esculpida, mas a presença física dela é mais parecida com a haste que corre pelas costas da estátua para absorver ataques de raios.

Ela é reconhecida. Ela é reconhecida de novo e de novo, provavelmente dezenas de vezes, antes de partirmos. Ela atende praticamente a todos, talvez calculando que demorará mais para decepcionar um fã do que sorrir e posar para foto. O truque dela é oferecer um “Obrigada!” imediato, no instante em que uma foto foi tirada, o sinal educado dela de que a interação foi concluída.

Já está tão quente quanto uma churrasqueira, em um sótão sob o sol. Mas às 10 da manhã, há pouquíssimas pessoas nesta praia, nos subúrbios de Tel Aviv, de modo que todos possam caber no quadrado fresco e cinza da sombra fornecida pela tenda. O problema é que você tem que compartilhar o seu quadrado com estranhos e é por isso que Gadot e eu somos unidas primeiro por um senhor de idade e, mais tarde, por uma mulher em seus quase 60 anos, que se senta atrás de Gadot e observa o mar. Como a logística da segurança pessoal muda, quando você se torna, de repente, uma figura pública global?

Eu fico muito mais atenta e alerta,” diz Gadot, se alongando na areia. “Eu não quero me isolar da sociedade. Eu quero estar em meio a todos, eu gosto de conversar com pessoas aleatórias às vezes. É mais fácil para mim aqui [em Israel], porque traçar o perfil das pessoas é realmente fácil para mim.” Ela gesticula em direção a um grupo de cerca de 20 jovens em uma tenda vizinha, muitos dos quais já lhe pediram fotos.

Tipo, eu posso dizer que esse grupo, eles são boas pessoas. Eles são tranquilos, legais. Eles vão limpar o que sujarem, quando saírem. Eles não procuram por problemas.” Ela gesticula para trás com a cabeça. “Essa mulher,” ela diz no mesmo tom alegre, “provavelmente é da Rússia.

A mulher observando o mar, que está fora do campo de visão de Gadot desde que ela se sentou, nem sei quando ela a viu, tem cabelo curto loiro e veste um traje de banho azul. Nada no comportamento dela traz visões do Bolshoi à mente.

Por que você acha isso?” eu pergunto.

Apenas sei,” Gadot diz dando de ombros. “Apenas sei.

A verdade é que Gadot não está apenas alerta, mas hiper alerta. A sua maneira calma e casual contradiz a sua percepção notória da proximidade dos estranhos em público. Muitas vezes, durante a conversa, a cabeça de Gadot se vira rapidamente, procurando a fonte de sons ou movimentos intrusivos. O comportamento não é esquisito, mas sim atento. Sempre que ela sente alguém se aproximando, algo que ela pode perceber mesmo a quilômetros de distância, ela fica imóvel e quieta, como um surfista que se prepara para uma onda. Em um momento durante a nossa conversa, ela se vira abruptamente, pegando desprevenidas tanto eu quanto as duas mulheres que estavam lentamente andando pela areia para aproximá-la por trás. “Uau, meninas!” Ela chama, radiante. “Estou bem no meio de uma entrevista, vocês podem retornar?” Eles sorriem e se afastam.

Pergunto a Gadot se ela é a pessoa mais famosa em Israel que não está atualmente comando o país.

Ela considera a pergunta por um momento, depois responde com um tom uniforme. “Provavelmente.

Quando a Mulher-Maravilha fez a estreia dela em Batman v Superman: A Origem da Justiça, em 2016, ela vivenciou cenas como se ela tivesse pás de um desfibrilador presas nos saltos altos dela. Baseado nos menos de 10 minutos de tempo de tela dela, Gal Gadot foi aclamada como a salvadora do universo cinematográfico da DC. Assim, ele foi um raro exemplo de que os melhores planos realmente acabam sendo os melhores planos, quando o filme solo da Mulher-Maravilha – um filme de origem que se passa na Primeira Guerra Mundial, cem anos antes dos eventos de Batman v Superman – começou a aniquilar os recordes de bilheteria do verão passado: o maior filme de super-herói em arrecadação protagonizado por uma mulher, o maior filme de ação em arrecadação dirigido por uma mulher, o maior filme de arrecadação do gênero fantasia e que também educa os adolescentes sobre a terrível realidade das trincheiras de guerra.

As críticas de Mulher-Maravilha brilharam com a luminosidade ofuscante de um Laço da Verdade feito de CGI. O público estava encantado que uma história sobre armas químicas tinha tanto amor. Porque Mulher-Maravilha é uma menina, Girl Scouts of America (As Escoteiras da América, em tradução livre) se gabou do sucesso do filme, na página oficial do Facebook da organização. O filme era um turbilhão de boa vontade.

A mudança mais óbvia dos filmes de quadrinhos de baixo desempenho que vieram antes foi a inserção de uma mulher vestida de armadura em um cenário povoado quase que exclusivamente por homens revestidos em espandex. (Certo, o traje da Mulher-Maravilha era de borracha, mas quase se parecia com uma armadura.) O resultado, criado pela diretora Patty Jenkins, foi um passeio de emoção com alto índice de octanas e estrogênio. A época também ajudou, chegando quando chegou, com a perda surpreendente de uma candidata presidencial feminina a um sexista heterossexual. As projeções do estúdio sugeriram que o filme arrecadaria 65 milhões de dólares em seu fim de semana de estreia nos Estados Unidos. Em vez disso, arrecadou 103 milhões de dólares, já que o público feminino compareceram em número recorde para assistirem uma mulher fictícia que não estava à mercê dos homens; muitas relataram lágrimas durante as cenas de batalha da Mulher-Maravilha. (As crianças, também. Em um vídeo que se tornou viral semanas após o lançamento do filme, Gadot consolou uma que soluçava, vestida de Mulher-Maravilha em uma convenção de fãs. “Não há motivo para chorar, está bem?” Gadot disse generosamente. “Estamos aqui, juntas.“)

No entanto, apesar de suas circunstâncias favoráveis, deve ser dito que a atriz carregou Mulher-Maravilha. Antes do lançamento do filme, havia agitação, enquanto as pessoas se preocupavam que os homens não gostariam de um super-herói se ele também não fosse um homem. A Mulher-Maravilha de Gadot foi brutal com os alemães e gentil com os bebês. Ela era digna e ocasionalmente engraçada. Ela era capaz de alegria (raridade na era dos super-heróis emocionalmente torturados) e de compaixão além da capacidade humana. Ela era implacavelmente, impiedosamente encantadora. Acontece que os homens também gostam disso.

Embora Gadot tenha sido o rosto do maior filme do verão, sabe-se relativamente pouco sobre a mulher que está por trás da Mulher-Maravilha, além de uma pequena coleção de fatos repetidamente reexaminados como tesouros preciosos exóticos no circuito dos programas de entrevistas noturnas: Gal Gadot ganhou o concurso de beleza Miss Israel, em 2004. Gal Gadot completou dois anos de serviço nas Forças de Defesa de Israel (mandatório para os cidadãos israelenses). Gal Gadot frequentou a faculdade de direito por um ano. (Uma soldada, concorrente em um concurso de beleza, com uma mente legal astuta? Meio que soa como a Mulher-Maravilha.)

É engraçado,” Gadot diz, “pois sinto como se eu estou no meu começo. Após 10 anos [de atuação], agora que estou começando.

A primeira missão de Gadot foi impulsionar a Mulher-Maravilha para a glória da bilheteria, através da força de seu carisma. Seu novo desafio é mais complicado: certificar-se de que ela não será engolida pela super-heroína que ela interpretará na telona, praticamente sem parar, pelo menos, pelos próximos 24 meses. Ela reprisará o papel em novembro, em Liga de Justiça, novamente na sequência de seu filme solo, em 2019 e, possivelmente, de novo em 2020, em um filme centrado no Flash. Se ela está preocupada em estar presa em um carrossel de filmes de histórias em quadrinhos em seu futuro previsível, ela não demonstra. “Contanto que a história seja boa,” ela diz, “todos os gêneros são legítimos.” Mesmo assim, ela gostaria de seguir em frente deste trabalho, em algum momento.

Não é que tudo o que eu quero fazer, pelo resto da minha vida, é Mulher-Maravilha,” Gadot diz. “Obviamente, não.

Gadot cresceu na água, gal é a palavra hebraica para “onda”, e depois de uma hora de conversa na praia, ela sugere que nademos. Alguns minutos depois, lá está Gal Gadot, em Gottex com flores de couro de alta costura, flutuando no Mediterrâneo lápis-lazúli, com os olhos fechados, o rosto virado para o deslumbrante sol do meio-dia, e também eu. Ela escolheu este local para flutuar escrupulosamente, seguindo as rochas submersas até que só havia areia fofa debaixo dos pés dela. Pequenos peixes nadam rapidamente em silêncio ao redor do corpo dela. “Conte-me o que você gosta de comer“, ela ronrona, rompendo o silêncio calmo das ondas. Então ela solta a armadilha da observação dela: “PORQUE EU NOTEI QUE VOCÊ NÃO COMEU O SANDUÍCHE DE OVO QUE EU TE TROUXE.”

Estou chocada. Eu estava fingido, pensei que de forma convincente, comer o sanduíche de ovos desde que desenrolamos as nossas toalhas.

De volta à terra firme, o ar está tão quente que te seca. Uma vez fora da água, eu tenho um pedido: a Mulher-Maravilha é a lutadora mais forte, a que mais derruba um cara mau, a combatente mais confiante da cultura pop, e eu quero aprender a lutar com ela. Peço a Gadot que utilize seus seis meses de treinamento de defesa para Mulher-Maravilha para me derrubar na areia. Ela enumera todas as maneiras que isso pode dar errado. Ela está preocupada que eu me machucarei, “Eu te derrubo e você fica, ‘Oh, minhas costas! Ai, meu Deus!’” Ela insiste que eu não saberei como cair corretamente. Ela não quer que as pessoas pensem que ela é suscetível a atos aleatórios de violência. Não, não, ela não vai fazer isso.

Proponho que entremos na possibilidade de um ataque completo, fazendo com que ela me ensine algo diferente: a poderosa caminhada em câmera lenta que a Mulher-Maravilha desencadeia, quando, sozinha, enfrenta um pelotão alemão, para salvar alguns membros da classe camponesa belga. Isso acontece quase no meio do filme e é, em vários aspectos, a cena que define o filme. É a primeira vez que os telespectadores veem a Mulher-Maravilha em traje de batalha completo e isso inicia uma sequência que revela a essência do caráter dela: ela está sozinha, enfrentando sem medo uma fila de homens com armas, desviando de suas estúpidas balas com seus braceletes e arriscando a vida dela para ajudar estranhos desafortunados. Os fãs se referem a este momento com reverência como “a cena da terra-de-ninguém”.

Ela se levanta na ponta dos pés na areia quente (a Mulher-Maravilha usa sapatos de salto, ela explica) e avança lentamente, com ombros para trás, deslocando deliberadamente o seu peso de um quadril para o outro, pronta para enfrentar um pelotão alemão, pronta para marchar o caminho todo até o estacionamento da praia, se for necessário, até ela ser interrompida por um homem que gostaria de uma foto, por favor.

A compreensão do inglês de Gadot é forte. As palavras dela, muitas vezes, soam ligeiramente conectadas, como se estivessem todas revestidas de mel e se grudassem. (Um dos cinco melhores sons da Terra é Gal Gadot dizendo “Leonard Cohen”, o que ela diz assim: leh-ow-hu-narhd cuh’wen.) A primeira língua dela é a hebraica e por ela falar inglês com um sotaque israelense-hebraico, todas as mulheres da mítica ilha de Themyscira, a casa da Mulher-Maravilha, falam inglês com um sotaque israelense-hebraico – até mesmo Robin Wright. O aprendizado escolar de Gadot em inglês começou na terceira série, mas ela realmente não se concentrou em dominá-lo até o momento que ela quis assistir Seinfeld e Friends. Na fala, às vezes, ela traduz figuras de linguagem do hebreu para as inglesas que não existem, o que dá ao discurso dela um toque poético. (A descrição dela de atuação: “Indo com, mas se sentindo sem. Vocês tem esse termo?“. Deveríamos.) O inglês americano tem mais fonemas de vogais do que o hebraico, o que significa que as falas, às vezes, exijam que Gadot produza sons que simplesmente não existem em sua língua nativa. Isso pode levar à confusão, como quando, no clímax emocional de Mulher-Maravilha, nossa heroína desencadeia um grito angustiado de “Stiv!” para o céu enquanto testemunha um incidente que põe em perigo o namorado dela, Steve.

 “Eu lutei contra o meu sotaque por tanto tempo,” ela diz. “Tipo, eu tenho que soar mais americana. Eu era um pouco tímida quanto ao meu sotaque. Até que eu desencanei. Meu treinador linguístico me disse: ‘Apenas assuma o seu sotaque. Contanto que você seja clara e compreendida, assuma ele.’ E desde que comecei a assumi-lo, sinto-me livre. É engraçado, porque o idioma trata da comunicação e se você não se sente confortável com o seu sotaque, você não se sente à vontade para se comunicar. Se você entender que é diferente e está tudo bem e se sente confortável com isso, então, lentamente, outras pessoas começam a se sentir à vontade.

Eu gosto que esse seja um momento vulnerável e eu o exponho, porque aprendo mais [com] ele. Eu não gostaria de estar local em que digo coisas erradas e as pessoas têm medo de me corrigir… [Às vezes] Eu me sinto tão tonta. Porque em hebraico, sempre que dou entrevistas, sempre que falo com alguém – eu lia muito, quando pequena, e é importante para mim ser eloquente, ter um bom vocabulário e ser muito precisa com o que pretendo dizer – tenho a gramática. Mas, em inglês, não importa quantas vezes eu leio – sabe, vou fazer uma lista de palavras que eu gosto de usar – ainda não está no meu DNA.

Em outras palavras, ela fala inglês bem o suficiente para evitar ocasionalmente os coloquialismos desconfigurados, mas bem o suficiente para dizer: “Ainda não está no meu DNA.

Uma compreensão nativa do inglês não é um requisito em Hollywood – Sofia Vergara é a atriz mais bem paga da TV – mas ter um sotaque estrangeiro limita os papéis que te serão oferecidos. Na sua carreira de cinema pré-Mulher-Maravilha, Gadot interpretou uma espiã, uma ex-espiã, a esposa de um espião, uma criada, um membro de uma família judaica mafiosa e uma mulher sexy que, nas palavras de outro personagem, “é israelense” e “não fala muito inglês”.

A característica mais distinta da voz de Gadot, no entanto, não é o sotaque dela, mas é a rouquidão perpétua e profunda, uma qualidade hipnótica que a faz parecer como se ela tivesse acabado de sair da cama o tempo todo.

Quando eu era garota,” ela diz entre goles de café com xarope de açúcar extra, “Eu fui a terapia de voz, pois tinha uma voz rouca. Eu costumava ficar sem voz muito fácil. Eles me ensinaram como respirar, pois eu não respirava direito.

É engraçado imaginar uma criança com uma voz tão rouca e sensual,” eu digo.

Ela arqueia a sobrancelha e brinca, abaixando a voz, até que ela esteja praticamente no chão: “Você quer brincar de esconde-esconde?” Eu me dissolvo em riso. Ela se aproxima, para sussurrar em meu ouvido. “Venha me achar.

Chega um momento, em cada matéria que fala sobre Gal Gadot, que uma tentativa de explicar a pronúncia correta de seu nome deve ser feita. Se você acha que já sabe como pronunciar o nome dela, você provavelmente não sabe. E se você sabe que não sabe como pronunciar o nome dela, você nunca conseguirá pronunciá-lo exatamente correto.

Ainda sou, provavelmente, 60% das vezes, Gadoh,” diz Gadot. Não é Gadoh. Mas também não é bem Gah-DOTT. O conselho confuso dela é que o T é pronunciado como “um T mais leve… um T mais suave“. Ela agradece que todos estejam tentando o seu melhor.

Enquanto estamos guardando nossas coisas para deixar a praia, a mulher possivelmente russa de maiô azul atrás de nós faz uma ligação, nos dando a chance de testar os poderes de observação de Gadot.

Que língua ela está falando?” ela pergunta sussurrando, retoricamente, enquanto dobra a toalha dela. Ela sabe a resposta, ela só quer que eu note: a mulher está falando russo.

Gal Gadot é muito ativa. Do tipo: quando você a conhece, ela colocará as mãos dela em você muitas vezes, em muitos lugares diferentes. A cultura israelense é tão orientada para o contato que os guias para americanos que viajam para lá advertem que eles podem sentir que o espaço pessoal deles está sendo constantemente violado, em contextos formais. Gadot pode, sem palavras, esticar  a mão para remover uma migalha do seu rosto enquanto você está comendo, ou levemente descansar a palma da mão na metade da sua coxa, durante meio minuto, enquanto ela conta uma história. Ela pode transformar as mãos em pequenas garras e fazer cócegas em você com flexões rápidas de dedo, do jeito que você faria na barriga de um bebê, se algo na sua atitude sugerir a ela que você precisa de cócegas naquele momento. Mesmo que as sequências de Mulher-Maravilha e spin-off impulsionem Gadot para novas alturas do estrelato global, ela provavelmente não perderá esse hábito de tocar, porque ela é uma mulher encantadora e linda e nunca passara pela cabeça das pessoas se afastarem dela. No discurso, também, Gadot tem uma tendência compulsiva de criar intimidade, como quando, na manhã seguinte à praia, ela sorri de forma conspiratória e me diz que ela me levará para um pequeno lugar perto da casa dela que ela ama, e acontece que esse lugar é uma pequena loja onde compra sabão para lavar a roupa.

Na padaria do bairro dela, Gadot traduz pacientemente literalmente o menu inteiro para mim, sem pular ou resumir itens. “Isto é quiche de cogumelo, quiche de batata doce, quiche de tomate e azeitonas, pretzel, pretzel de canela, pão doce de pistache e chocolate, pão doce de framboesa, pão doce de baunilha e passas, brioche de chocolate, brioche de amêndoa e chocolate, brioche de amêndoa, croissant de chocolate, croissant de manteiga, croissant de chocolate e amêndoa, que é uau…” Demora alguns minutos. Ela conhece todos os funcionários da padaria, bem como muitos dos clientes, e quase todos em Israel param para dizer olá. Os funcionários falam com ela sobre o fermento. O marido gostoso dela aparece e a beija nos lábios. Ela tem uma longa conversa com o filho de um vizinho, sobre uma receita de peixe.

Eu sinto muito!” ela suspira entre as conversas. Não tivemos mais de dois minutos de conversa ininterrupta, desde a entrada na loja e ela está começando a se preocupar que ir até a padaria mais popular de seu bairro que todos os seus amigos e família adoram foi uma má ideia.

É como o seu Cheers,” eu digo a ela. Todos aqui realmente sabem o nome dela.

Ela explode rindo e me corrige: “É L’Chaim!

Partimos antes que mais pessoas que ela ama possam aparecer e, virando a esquina na rua suavemente inclinada da casa dela, damos de cara com um bando de turistas de Miami. Gadot ergue uma mão até a testa, como se estivesse protegendo os olhos do sol e a deixa lá para esconder o rosto, enquanto caminhava. É somente quando ela chega em seu muro de pedra que alguém suspira, “Gal Gadot!” Gal se vira e acena, antes de escapar para dentro do seu portão da frente.

Se você se virar quando ouvir seu nome, eles saberão que é você,” eu digo.

Mas esta é a minha casa,” ela explica. Ela faz um gesto, desaparecendo por uma porta: “Até mais!

No pequeno quintal de Gadot, encontramos a cachorra dela, Lola, que está se aproximando em suas patas traseiras, em busca de atenção. É hora de Gal e eu nos despedirmos, mas tenho um arrependimento de ontem: nunca consegui enfrentar a Mulher-Maravilha em um combate corpo a corpo. Eu faço um apelo final.

Você é muito vergonhosa,” ela diz sorrindo.

Temos total privacidade.

Eu sabia que isso era um erro.” Gadot levanta os olhos para o céu, dramaticamente, mas ela já está andando de chinelos em direção ao centro do quintal e se preparando para o meu ataque.

Isso é o que acontece quando você tenta emboscar a Mulher-Maravilha: no instante em que suas mãos caem sobre ela, ela já está segurando-as. As suas mãos são as mãos dela, agora. O próximo segundo é um borrão, com vários coisas ocorrendo em uma sucessão arriscada, que parece simultânea: a Mulher-Maravilha troca de lugar com você, o seu corpo vai na terra e seus braços ficam presos pelos dela, obrigando você a se contorcer. Você não consegue ver o que ela está fazendo, pois, de alguma maneira inexplicável, seus óculos já não estão no seu rosto e ressurgiram nas mãos da Mulher-Maravilha. O cachorro mistura de poodle da Mulher-Maravilha te observa em horror, mudo. Você está à mercê da Mulher-Maravilha.

Então,” ela murmura, com a voz rouca e cantarolando, puxando você em um abraço, te embalando tão gentilmente como uma pomba que ela gostaria de imobilizar, “eu dou a ela… um abraaaaço!

Inicio » Revistas | Magazines » 2017 » Dezembro | GQ

Inicio » Ensaios Fotográficos | Photoshoots » 2017 » 019 | Cass Bird

Bastidores da sessão de fotos

Gal Gadot em: Galsplaining

Comentarios: