Entertaiment Weekly perguntou a Gal Gadot sobre o momento que ela percebeu que Mulher-Maravilha era um sucesso, qual cena entre os seus três filmes da DC foi a sua preferida, o que ela achou dos comentários de James Cameron e muito mais.

Por James Hibberd. Tradução: Gal Gadot Brasil

No início de 2017, Mulher-Maravilha havia finalizado a produção principal há alguns meses, os fãs já tinham te visto em Batman v Superman, o primeiro trailer do filme solo já havia sido lançado. Quais eram as suas expectativas, você sabia que você tinha algo especial a essa altura?
Gal Gadot:
Sempre há isso de como você se sente em relação a algo, mas você nunca sabe como realmente será quando tudo estiver feito e pronto. Parecia que era especial. Quando gravamos o filme, estávamos tão dedicados e tão preocupados com cada decisão que tomamos com a personagem e com a história, tive muito privilégio de trabalhar com uma cineasta incrivelmente fenomenal, a Patty Jenkins. Mas não esperávamos que ele fosse ser tão bem aceito.

Você tinha alguma preocupação em particular?
Gal Gadot:
Essas preocupações aconteceram antes de começarmos a gravar o filme. Porque esse era meu primeiro filme que eu realmente carregava e era a principal. O peso pesado estava nos meus ombros. Então eu estava preocupada no início. Eu me sentia como uma garotinha encarando o Monte Kilimanjaro e pensando: Como eu vou escalá-lo até o topo? Mas lentamente e gradualmente, a jornada até o ápice desta montanha foi fascinante, revigorante e emocionante e muito disso tem a ver com as pessoas com que você está trabalhando.

Antes de Mulher-Maravilha, havia uma história sobre um memorando vazado da Marvel em que um executivo sugeria que filmes de super-heroínas não davam certo. Alguma vez, antes do filme ser lançado, você sentiu que alguém na indústria estava cético?
Gal Gadot: Eu tenho que ser honesta e dizer que não. Eu li todos os artigos sobre como os filmes anteriores de super-heróis liderados por mulheres não deram muito certo. Demorou mais de 13 anos para o estúdio realmente gravar Mulher-Maravilha. Mas uma vez que a decisão havia sido feita, eu não tinha medo. E, depois que eu presenciei como a audiência reagiu à Mulher-Maravilha em Batman v Superman, eu tinha certeza de que o filme se sairia bem, eu só não sabia o quão bem. Sempre que eu lia esses tipos de artigos, isso me impulsionava e me motivava a mostrar que eles estavam errados.

A primeira vez que você viu o filme foi na estreia? Como foi a sua experiência naquela noite?
Gal Gadot:
Eu tenho me tornado mais espiritual, quanto mais eu cresço. O mundo tem uma maneira muito interessante de te por no chão e te manter em equilíbrio. Quando começamos a promover o filme, eu machuquei as costas bem no início, no avião, indo para a China. O sucesso foi tão grande, mas eu não conseguia realmente apreciá-lo. Eu não estava estourando a champanhe. Eu estava de cama, sem poder segurar a minha bebê. Eu não podia me sentar na primeira exibição, na estreia em Los Angeles. Eu pensei que era como se eu tivesse carregado tanta pressão psicológica do filme que as minhas costas estava literalmente “quebrada”. Então eu não menosprezei isso. Eu realmente deveria aproveitar cada momento.

Quando você viu as críticas cheias de elogios aparecendo… Como foi isso?
Gal Gadot: 
Era uma terça-feira de noite e eu sabia que eles estavam levantando o embargo das críticas às 21h. Era a minha primeira vez passando por isso. Geralmente, eu não fico ligada quando o estúdio levanta o embargo. Então eu coloquei a minha filha na cama e disse, “Você precisa dormir, eu preciso trabalhar um pouco esta noite.” E, claro, naquela noite ela estava bem acordada. Eu disse, “Está certo, vou trazer o meu computador e sentar com você, até você dormir.” Então eu trouxe o meu computador e comecei a ler todas as críticas. Eu fiquei tão animada que liguei para a Patty. No momento que eu liguei para a Patty, ela atendeu, ele nem tocou. Ela atendeu imediatamente. Ela estava toda, “O que está acontecendo? Eu estava meditando por 20 minutos, não estava lendo nada, [eu estava] literalmente esperando que você me ligasse.” Eu estava só gritando: “Ahhhhh!” Ela disse, “Isso é bom? Isso é bom?” Eu disse, “É inacreditavelmente incrível! Eu não acredito que isso está acontecendo com a gente nesse momento!” E a minha filha, que tem 6 anos agora, que foi parte da produção – quando você trabalha tantas horas, seus filhos vêm ao estúdio e se tornam parte da bagunça. Minha filha ficou tão empolgada. Ela me perguntou, “O que está acontecendo, mamãe?” Eu falei para ela: “As pessoas estão gostando do meu filme. Viu, se você trabalha duro o bastante e tem boas intensões na vida, as pessoas apreciam isso.

Que história maravilhosa. Você claramente tem um relacionamento ótimo com Patty. Ela, claro, teve longas negociações para retornar como diretora de Mulher-Maravilha 2. Você estava preocupada que vocês poderiam não se reunir?
Gal Gadot: 
Você quer a minha opinião honesta, né?

Claro.
Gal Gadot: Não. Eu falei para ela que eu estava completamente com ela e a apoiaria e… você sabe, eu acho que ela completamente tem o direito do que ela receberá, das negociações que ela fez. Ela fez um trabalho fenomenal e sabia como contar essa história da maneira mais interessante. Fazendo um filme como esse, é um filme movido por mulheres, é um filme da Mulher-Maravilha. Mas há o problema de que você não quer que o filme seja apenas para mulheres ou que apenas mulheres e fãs de super-heróis se identifiquem com a história. Era muito claro para a Patty, desde o início, que ela queria que essa história fosse universal, para que todos possam se identificar de maneiras diferentes, com a jornada dessa personagem. Ela fez isso brilhantemente e não havia pessoa mais feliz do que eu, quando foi anunciado que ela continuaria e que nós vamos nos reunir.

Quase pareceu que você diria que se ela não tivesse voltado, você não faria a continuação. Mas eu não tinha certeza se você chegaria tão longe…
Gal Gadot:
Eu não precisei. Os executivos da Warner Bros. são espertos e mostraram gratidão a ela. Ninguém tentou tirar o crédito de ninguém. Era claro que ela criou um filme incrível e ela deveria ser paga por isso. Não houve a necessidade de passar por nenhuma declaração de ameaças. Todos estavam na mesma página.

As pessoas literalmente choraram nos cinemas, quando o filme estreou. Tenho certeza que você teve muito retorno dos fãs, desde então. Existe alguma reação em particular de algum fã que realmente te tocou?
Gal Gadot: 
Houve diferentes. Eu conheci esse casal com mais de 80 anos e eles foram juntos, de cadeira de rodas, e foi a noite de encontro deles e eles estavam tão entusiasmados em ver um filme. Eu fiz uma sessão de Perguntas e Respostas para o SAG e uma das pessoas lá disse que a sobrinha dele havia perdido ambas as pernas e estava realmente deprimida e, obviamente, passando por um momento difícil. Uma vez que o filme foi lançado, isso tornou-se coisa dela. Ela assistia Mulher-Maravilha todos os dias e foi assim que ela encontrou mais poder para superar os problemas que ela está passando. Foram histórias muito emotivas, divertidas e felizes. Honestamente, a palavra “incrível” vai repetir-se, pois é assim que tem sido recentemente.

Agora, você interpretou a Mulher-Maravilha em três filmes. Qual foi a cena preferida da sua personagem?
Gal Gadot: 
Há diversas. Houveram cenas preferidas para interpretar, eu amei gravar a cena do relógio e a cena da dança na praça; Mas vendo o filme, eu amei quando a Mulher-Maravilha se revelou pela primeira vez ao cruzar a Terra de Ninguém.

Há algo que você sente que aprendeu sobre como interpretar essa personagem que demorou um tempo para descobrir?
Gal Gadot: 
Uma semana estávamos nos esforçando. Era a cena da torre, após a Mulher-Maravilha matar o General Ludendorff e achar que matou Ares. Ela não consegue entender porque todo mundo ainda lutava.

Eu amo essa cena.
Gal Gadot: É. Porque o que o Steve está dizendo é que nem todo mundo é bom, que as pessoas são tanto boas e más. E o que a Mulher-Maravilha percebe é que a mãe dela estava certa. Ela está devastada por essa revelação. Mas o público compartilha do ponto de vista de Steve, pois nós entendemos que os homens são maus e bons. E eu estava realmente preocupada, pois há uma linha tênue quando interpretamos a ingenuidade que você não quer parecer burro. Levamos um dia para descobrir o equilíbrio certo e o tom para essa cena.

Há algo que você fez com a sua personagem pelo caminho, que se você pudesse voltar e fazer diferente, você faria?
Gal Gadot: 
Não, pois o resultado foi tão ótimo que nos trouxe onde estamos hoje. É como o Efeito Borboleta, se você mudar algo, talvez a coisa toda seria mudada. Então, não mudaria nada.

Esse parece um daqueles papeis que carrega com ele tanta responsabilidade. Você sente que você tem que ser um exemplo a seguir fora da tela, você querendo ser ou não?
Gal Gadot: É uma questão complicada, pois não é como se eu quisesse ser um exemplo a ser seguido. Não é como se alguém acordasse e falasse, “Hoje, serei um exemplo a se seguir!” Mas para mim, sou uma pessoa entediante. Eu tenho todas as coisas emocionantes de ação quando estou atuando. Porque, na vida real, eu sou casada, sou mãe. Eu não curto sair ou ir à festas. Não é quem eu sou. Então é meio fácil, pois eu não sou nem um pouco descuidada e porque tenho duas meninas. É importante para mim que quando elas cresçam, se elas me verem fazer algo, elas se sintam confortáveis com isso. Sabe o que eu quero dizer?

Ou seja, ser mãe molda você em ser um exemplo a seguir, independente da sua carreira…
Gal Gadot: Isso, exatamente.

Outra grande manchete durante o seu ano foi que James Cameron criticou o filme, como um ícone objetivado, sobre o que Patty falou com muito fervor. Mas acho que não vi a sua opinião sobre isso?
Gal Gadot: 
Porque eu não queria dar atenção a ele. Primeiro de tudo, sou uma grande fã do trabalho dele. Os filmes dele são ótimos. Ele foi muito inovador em muitas coisas que fez e eu nçao tenho nada além de ótimas coisas a falar sobre o lado criativo e profissional do trabalho dele. Quando esse fato aconteceu, na época que isso aconteceu, ele estava promovendo outro filme dele. Parecia que ele estava procurando por publicidade e eu apenas não queria chamar a atenção para ele.

Recentemente, Liga da Justiça foi lançado e enquanto você foi elogiada pela sua atuação, o filme foi atingido pela crítica. O que você achou do filme?
Gal Gadot: 
Quando eu comecei a gravar Liga da Justiça foi literalmente o dia seguinte de ter finalizado Mulher-Maravilha. Então, era a mesma coisa, mas diferente, e foi muito legal dividir o palco com um grupo de elenco e trabalhar com alguns dos caras novamente. Foi muito divertido. Obviamente, esse não era sobre a Mulher-Maravilha, ela estava apoiando a história maior. Estou muito animada em começar a trabalhar em Mulher-Maravilha 2.

O que você pode nos contar sobre como sua personagem evolui no segundo filme?
Gal Gadot: Exceto pelo trabalho incrível que Lynda Carter fez na série de TV, esta personagem nunca foi exibida na telona. Acabamos de ver a história da origem dela. Mas há muito a se explorar com essa personagem que tem 75 anos de legado, há tanto material e tantas maneiras que estou empolgada com isso.

Recentemente você tuitou que você será “eternamente agradecida por interpretar essa personagem”. Quantos filmes Mulher-Maravilha você poderia fazer? Como você saberá se e quando é hora de seguir em frente?
Gal Gadot: Acho que quando eu chegar lá, quando eu sentir que é hora de seguir em frente, eu saberei. No momento, eu não sei.

Foto em destaque: Gal Gadot e Patty Jenkins no Brunch do Variety: Creative Impact Awards & 10 Directors to watch