Gal Gadot conversou com a W Magazine e contou como interpretar a Mulher-Maravilha fez ela mudar a sua perspectiva sobre as coisas e como foi ver as pessoas vestidas como a sua personagem, no Halloween.

Em junho do ano passado, Mulher-Maravilha, estrelando a gloriosa Gal Gadot, quebrou todos os recordes de bilheteria no mundo todo. O filme, que foi dirigido por Patty Jenkins, trouxe as mulheres, novas e mais velhas, às lágrimas quando a Mulher-Maravilha domina o campo de batalha. Como Brooklynn Prince, de 7 anos, a fofíssima estrela de Projeto Florida, disse: “Comecei a chorar porque a Mulher-Maravilha mostra que você não precisa de ajuda de um homem para ser quem você quer ser ou fazer o que você quer fazer.

por Lynn Hirschberg

Eu sempre pessoas para as pessoas quais filmes as fizeram chorar e, recentemente, todo mundo vem dizendo que foi a cena em Mulher-Maravilha, quando você diz, “Eu posso fazer isso.” Qual foi a cena mais emotiva de se gravar?
Essa é a coisa com esse filme e o mero fato de que não tínhamos ele quando éramos pequenas. Eu me lembro de tanto filmes em que os homens são super protagonistas, confiantes, sabem o que fazer e podem e me lembro que quando eu estava assistindo o filme, eu fiquei tão emocionada na cena no campo de batalha, quando você vê todas as mulheres montadas nos cavalos, usando as espadas e sendo tão fortes, lindas, majestosas e capazes. E eu fiquei tão emocionada e eu nem sabia o por quê. Era o começo do filme, eu sei para onde ele vai, e aí eu estava falando sobre isso com o meu marido, quando voltamos para casa, eu fiquei, “Sabe o que é, é que você nunca vai entender, pois você é homem. Mas quando eu era pequena, como mulher, como meninas, nós não tínhamos essa imagem da gente, uma versão da gente que é tão forte, poderosa e capaz.” E, de repente, eu percebi e me desconcertou.

Qual foi o momento que você sabia que havia conseguido?
Acho que o meu momento foi, na verdade, quando fomos para Nova York e vimos a Times Square e estava coberto de pôsteres da Mulher-Maravilha. Eu não conseguia acreditar. Eu já havia estado em Nova York tantas vezes, e havia visto a Times Square tantas vezes e, de repente, estar na Times Square, aquele foi um momento.

Você foi pedir travessuras ou gostosuras no Halloween? Quantas fantasia da Mulher-Maravilha você viu esse ano?
Uau, muitas. Fomos pedir travessuras ou gostosuras e eu usei uma enorme máscara, para que eu pudesse ver todo mundo, mas andar normalmente. Eu estava entusiasmada por causa delas. Sabe o que eu digo? Sempre que víamos uma fantasia da Mulher-Maravilha, menina, mulher, menino, era tão legal. Eu ficava, “Ai, meu Deus, vocês viram?” E a minha filha corria até mim e ficava apontando para as Garotas Maravilhas e Mulheres-Maravilhas, foi muito, muito emocionante.

Do que a sua filha se vestiu?
Ela era uma zumbi unicórnio. Mas que bela fantasia. [Risos]

Você que fez?
Não, a gente comprou a de unicórnio e aí eu enfaixei ela com uma gaze. Fiz a maquiagem e tudo. Foi divertido.

Qual foi a sua fantasia de Halloween preferida que você já vestiu?
A rainha da noite. Era um vestido meio princesa preto com um monte de adesivo que eu mesma colei em mim, de estrelas, luas e coisas assim. Eu tinha sete anos.

Qual foi o seu primeiro traje no tapete vermelho?
Ugh, era horrível. Hm, literalmente um guardanapo roxo, hm, um vestido sem alça, quadrado, horrível. Foi para Velozes & Furiosos 4. Horrível. Horrível. De verdade, ugh.

Qual foi o melhor conselho que a sua mãe já te deu?
Quando eu estava grávida com a minha filha mais velha, [entre] fazer tantos testes e não conseguir nada, eu engravidei e, de repente, consegui ofertas. Eu consegui um teste e aquele, o trabalho começou a vir para mim. Mas eu não podia fazer nenhum deles, pois eu estava muito grávida. E eu me lembro de falar com a minha mãe e ela dizer, “Esse é o jeito do universo de te mostrar que isso é mais importante do que qualquer coisa,” o que é muito verdade.