A revista Glamour divulgou a sua lista de 104 Mulheres que Definiram a Década na Cultura Pop. 

De acordo com Anna Moeslein, Editora Senior da revista, escolher 100 mulheres para estar nesta lista não foi tarefa fácil, pois qualquer pessoa que teve um papel no que assistimos, ouvimos ou vimos poderia ser considerado uma mulher influente de alguma maneira. Assim, eles não escolheram as 100 mulheres que tiveram apenas um grande momento ao longo da década e sim aquelas cujo impacto continuará a ser sentido nos próximos 10 anos ou aquelas que foram emblemáticas para a década de 2010 por representar um período específico que não poderá voltar.

Vale lembrar que nem todas as 100 mulheres que compõe a lista estão lá por motivos positivos. Estas são as 100 mulheres (na verdade, 104) que tiveram uma impressão duradoura nos filmes, TV, livros e cultura Pop.

Dado o sucesso de Mulher-Maravilha, em 2017, e a marca que o filme deixou no público (principalmente o feminino) que o assistiu, não é surpresa alguma que Gal Gadot aparece nesta lista.

Com US$821 milhões e mais em vendas, Mulher-Maravilha foi um dos grandes sucessos da década. E é ainda mais impressionante quando você considera que isso aconteceu em 2017—anos após as gigantes do streaming, como a Netflix e a Amazon Prime, haverem mudado drasticamente como e onde assistimos filmes. No centro estava a atriz Gal Gadot, uma novata nascida em Israel que mostrou a todos —especificamente, os cara que se sentiram deixados de lado das exibições apenas para as mulheres —que, sim, uma história de super-herói protagonizada por mulher pode ser uma vitória de bilheteria. (Não que chegamos a duvidar por um segundo.) Ainda mais que isso, a instrutora de combate e ganhadora do concurso de beleza era o tipo de heroína que as meninas poderiam se espelhar. Apenas assista o vídeo de uma delas chorando quando conhece Gadot e você entenderá por quê todos precisamos desta Mulher-Maravilha da vida real. O legado dela iniciará a próxima década também, quando Mulher-Maravilha 1984 chega aos cinemas em meados de 2020. —A.M