Gal Gadot fala sobre a vida, o amor, Mulher-Maravilha 1984 e como ela e sua família estão lindando com a crise

Por Jonathan Van Meter. Tradução de adaptação: Gal Gadot Brasil.

Esta história, escrita antes do Covid-19 começar a se estabelecer nos EUA, foi impressa enquanto profundas mudanças na vida cotidiana estavam sendo vistas em todo o país. Gal Gadot, como todos nós, foi afetada: a escola de suas filhas foi fechada, seus projetos foram colocados em espera, incluindo o lançamento de Mulher-Maravilha 1984 que seria em junho (por enquanto, foi adiado para 14 de agosto). Ao falar com ela em meados de março, em Los Angeles com sua família, ela estava animada: “Obviamente as circunstâncias são horríveis e assustadoras, mas estamos em casa e tentando tirar o melhor proveito possível disso: aproveitar momentos de atenção dedicada à família. É tão surreal. Nunca passei por momentos como esses. Mas também tenho muita esperança para quando isso ficará para trás.

Passar tempo com Gal Gadot é um exercício de despreocupação. Ela é a cliente mais legal, tão imperturbável que você consegue um tipo de contato alto: as ansiedades se dissipam, as defesas caem, as tensões diminuem. Mesmo quando ela fala sobre uma vida agitada, com dois filhos e uma grande carreira – manobrando seu elegante Tesla (brinquedos no chão, sanduíche meio comido no assento) pelos arredores do mundo do entretenimento (Hollywood até Burbank até Beverly Hills e de volta) – ela consegue fazer parecer que está apenas vagando em uma tarde de domingo. De fato, parece errado impor qualquer tipo de intenção, qualquer coisa tão tensa como uma entrevista. É uma maravilha, de verdade.

Parte disso é natural – nascida assim -, mas Gadot é fundamentalmente uma criatura de seu ambiente. Ela cresceu em Rosh Haayin, uma cidade perto de Tel Aviv, mas viveu a maior parte de sua vida adulta com o marido, entre amigos e familiares, a apenas alguns quarteirões da praia. Ela fala hebraico com eles, inglês com quase todo o resto do mundo. O inglês dela não é perfeito, mas é quase, a fluência dela é de tal forma que você pode ver as engrenagens girando, enquanto ela procura as palavras certas – e descobre novas diante de seus olhos. Às vezes, ela tropeça em uma frase ou em uma expressão, a questiona e depois a usa ou encontra a correta.

É por isso que passar um tempo com ela se parece com andar cuidadosamente por um novo mundo, olhando todas as lindas flores. Uma manhã, depois de um treino, ainda com calças Capri justas e uma blusa larga, ela está dirigindo de sua academia para uma sessão de fotos no Montage Beverly Hills. “Sempre me sentirei estrangeira em Los Angeles“, ela me diz, e aceno com a cabeça concordando, embora distraída com a nova experiência de deslizar silenciosamente pelas ruas de Los Angeles em seu Tesla. Há uma tela no meio do painel do tamanho de uma televisão, que parece uma extensão do para-brisa que desaparece em algum lugar atrás da sua cabeça, tudo conspira para criar a sensação de que estamos levitando.

Eu amo este carro“, ela diz. “É como dirigir um iPhone.” De repente, um som profundo e de outro mundo – beep … beep … beep. Ela olha para a tela. “Só um segundo, é minha mãe em Israel, onde são 20h e este é, literalmente, o único momento que tenho para falar com ela.” Ela toca a tela e fala em hebraico, uma mãe para outra. Você está bem? Como foi ontem? Não trabalhe demais. Vá com calma na próxima semana! “Está bem, Ema“, ela diz e elas mandam beijos uma para a outra. É disso que ela sente falta. De muitas maneiras, o sucesso de Mulher-Maravilha prendeu Gadot em Los Angeles, a 15 horas de avião de casa. “Você não pode andar em qualquer lugar aqui“, ela diz, mas essa é a única reclamação que ela fará, porque reclamar não é o estilo dela. Mas ela relata essa história sobre como ela voltou de Israel recentemente e, na viagem interminável do aeroporto de Los Angeles para sua casa nas montanhas de Hollywood, sua filha de oito anos, Alma, disse: “Sabe o que eu gosto da casa em Israel? Tudo está a cinco minutos. Cinco minutos caminhando até o local do sorvete, cinco minutos para a praia, cinco minutos para a casa de nossos primos. E todos os nossos vizinhos são nossos amigos.” Gadot suspira melancolicamente. “Mas sempre há o dar para receber. Como se diz em inglês? Não dá para ficar com tudo? Não dá tudo… Tem algo com tudo.

Não dá para se ter tudo, eu digo.

Exatamente.

A vida em Los Angeles, antes de encontrar sua tribo e seu ritmo, mesmo (especialmente) para uma estrela de cinema recém-criada, pode ser alienante. Você mora no topo de uma daquelas colinas famosas com vista para o mundo, um sonho tornado realidade, mas descer e subir para comprar uma caixa de leite pode demorar uma hora. Tudo deve ser planejado, estrategizado e, para uma criatura espontânea como Gadot, pode ser restritivo. E, às vezes, simplesmente é surreal. Deixando a academia mais cedo, Gadot parou para conversar com uma mulher com longos cabelos loiros que parecia ter acabado de acordar e estava, lentamente, fazendo 10 minutos de exercícios de aquecimento antes do início do treino real. Era a recém-esbelta Adele, que eu não reconheci até que ela soltou uma de suas risadas. Eu havia entrevistado ela há vários anos e, depois que resolvemos tudo, Gadot e eu ficamos ao lado dela enquanto ela pedalava, conversando sobre o tratamento da reportagem de capa da Vogue.

O encontro com Adele é um lembrete: na verdade, esse não é um encontro com qualquer garota israelense legal. Gal Gadot é uma super estrela internacional. Embora possa parecer que ela apareceu do nada, totalmente formada, no verão de 2017 como a estrela de Mulher-Maravilha, um sucesso instantâneo e êxito de bilheteria que arrecadou mais de US$ 800 milhões em todo o mundo, Gadot faz filmes há mais de uma década, mais conhecida como a personagem Gisele em quatro filmes da franquia Velozes e Furiosos. E, no entanto, toda a sua trajetória de carreira tem sido um acaso que quase não aconteceu. Aos 18 anos, ela venceu o concurso Miss Israel de 2004, competiu no Miss Universo naquele ano no Equador e cumpriu dois anos de serviço obrigatório nas Forças de Defesa de Israel como instrutora de exercícios. Ainda soldado, ela conheceu Jaron Varsano, um construtor imobiliário 10 anos mais velho, com quem se casou em 2008. Com o seu serviço militar completo e sem ter o que fazer, ela se matriculou na faculdade de direito em Tel Aviv e começou sua carreira de modelo. Um dia, um diretor de elenco entrou em contato com seu agente e pediu que ela fizesse um teste para o papel de Bond-girl em 007 – Quantum of Solace. Ela não conseguiu o papel, mas a diretora de elenco se lembrou dela, e foi assim que ela acabou fazendo o teste para Velozes e Furiosos de 2009. Ela conseguiu esse papel porque o diretor, Justin Lin, ficou impressionado com o fato de ela conhecer como usar uma arma militar.

Andando de carro com ela, digo que li que pouco antes de Mulher-Maravilha aparecer, Gadot estava tão infeliz com sua carreira que estava prestes a desistir e nunca mais voltar para Los Angeles. (Divulgando Mulher-Maravilha, ela disse a um repórter: “Você vai a um teste e é chamada de volta, depois outra chamada e depois um teste de câmera e as pessoas estão dizendo que sua vida mudará se você conseguir esse papel. E aí você não consegue. Cheguei a um lugar onde eu não queria mais fazer isso.“) E agora você é uma atriz que mora em Los Angeles, digo, como você se sente com isso?

Simplesmente… Paralisada.” Ela ri. “Sabe, uma das pessoas que eu realmente admiro é Charlie Kaufman“, ela fala sobre o famoso roteirista, diretor e romancista. “Ele raramente dá entrevistas. Mas há um vídeo dele fazendo um discurso no BAFTA há alguns anos e eu não me lembro exatamente, mas a vibe é: sabe, estou aqui, mas não sei o que estou fazendo aqui. Eu sou um escritor, acho. Mas nunca me refiro como um escritor, exceto quando estou preenchendo meus formulários fiscais. Mas sabe, eu quero que você se importe com o que eu faço; eu só não quero me preocupar com o que você pensa. E pensei: isso é tão interessante! Estamos vivendo em um mundo onde o que importa são os títulos: você é um escritor; eu sou uma atriz. Eu não quero parecer muito nova era… mas estamos sempre evoluindo e mudando e a vida acontece e nos leva em direções diferentes. Sim, sou uma atriz, mas, ao mesmo tempo, tenho apetite para fazer mais, maior, mais afundo, mais interessante.

Você se considera uma pessoa ambiciosa?

Sim, sou bastante ambiciosa.” Ela faz uma pausa. “Eu não estou muito certa… se é que se diz isso aqui. Mas eu acredito muito no Karma e se é meu, é meu, e se não é, não é. Eu não estou lutando pelas coisas. Mas quando estou lá, quando estou diante da oportunidade, estou completamente a bordo. Eu definitivamente me certifico de estar preparada, de fazer o trabalho, de chegar com 100% e seguir em frente.

Isso soa mais como consciência do que ambição, eu digo. Ela pensa por alguns segundos, enquanto aguardamos um sinal vermelho, e aí ela encontra outra maneira de explicar. “Quando me disseram que consegui o papel de Mulher-Maravilha, eu havia acabado de posar em Nova York e estava no aeroporto. E a primeira ligação que fiz foi para Jaron. E nós dois estávamos super felizes, berrando e gritando, e então eu disse a ele no final da conversa, ‘Depois de gravar o filme? Quero que tenhamos outro bebê.’ E então, quando cheguei em casa em Los Angeles, ele disse, ‘Esse foi um comentário muito interessante.’ E eu disse, ‘Por quê?’ e ele respondeu, ‘Você é engraçada porque, tipo, quanto mais alto você vai, mais…’ Se você imaginar uma pipa, certo? Se ela voa muito bem? Meu instinto é amarrar a linha no chão. É difícil para mim traduzir, porque estávamos conversando em hebraico. Mas é tipo, quanto mais bem-sucedida eu sou, mais quero fincar minhas raízes e garantir que tudo esteja equilibrado e [que eu] ainda [esteja] focada nas coisas importantes da vida, que, para mim, é a família.

Na manhã seguinte, encontrei Gadot na escola da filha Maya. Enquanto procuro uma vaga de estacionamento em uma rua lateral, vejo Gadot a pé e abaixo o vidro. “Momento ideal!” ela diz. Mesmo entre as mamães e papais elegantes de Los Angeles, ela se mostra glamourosa em seus jeans justos, casaco de camelo e enormes óculos de sol. A escola primária fica em um daqueles edifícios institucionais de meados do século, comuns a Los Angeles, é difícil dizer onde termina o exterior e começa o interior. Nós nos encontramos em uma estrutura coberta de estacionamento ao ar livre, com uma série de sofás e uma máquina de café que parece ser um local para babás e pais se reunirem, enquanto deixam as crianças. Gadot está aqui para ler para a turma de três anos de idade de Maya e, com a ajuda da irmã de Maya, Alma, decorar cupcakes. “Nossa, que manhã!” ela diz enquanto pega um café e nos sentamos em um dos sofás. “Deixei o livro que deveria ler em casa, então Jaron está trazendo.

Para que você não pense que as cenas da cultura de ensino fundamental da Big Little Lies da California beiram a paródia, estou aqui para dizer exatamente o contrário: elas mais se parecem imagens de documentários. Indo para a sala de aula Borboleta de Maya, passamos por um corredor ao ar livre com academias na selva e áreas de lazer que parecem instalações de arte. Na sala de aula, há uma dúzia de crianças e uma professora surpreendentemente exuberante vestindo uma camiseta de Frozen, uma jaqueta azul de lantejoulas, tênis rosa-choque e uma faixa na cabeça com orelhas de Mickey, que nunca sai do personagem, mesmo quando fala com os adultos. A certa altura, uma mãe e um pai vestidos casualmente e estressados como showrunners chegam atrasados com o filho. A mãe conversa com Gadot sobre a possibilidade aterrorizante de festas de aniversário no mesmo dia. “O aniversário dele é no dia 22″, diz ela. “Faremos ela naquela tarde. Mas nossos horários não entram em conflito, então acho que teremos um retorno da Borboleta.

É de se dizer algo que Gadot – soldado/modelo/estrela de cinema de Tel Aviv – é a pessoa com aparência mais normal na sala. Quando ela tira a jaqueta e se senta para ler o livro para as crianças, percebo pela primeira vez que seu cabelo está em um rabo de cavalo bagunçado e que seu suéter de cashmere azul safira parece ter sido tirado do cesto logo antes dela sair correndo pela porta esta manhã. A professora reúne as crianças e todos se sentam no chão, incluindo Gadot. O livro que ele escolheu é sobre bondade e, quando ela começa a ler – totalmente comprometida, encenando todas as partes -, as crianças, todas elas, entram naquele estupor contente, encantado e vidrado, se atendo a cada palavra. Muito novos para entender quem ela é – além da mãe de Maya -, porém, eles sucumbem à mágica da transferência que grandes estrelas do cinema inspiram. Uma coisa para se ver!

Adultos de todos os estilos de vida estão sob o feitiço de Gal Gadot há anos. Kristen Wiig, co-estrela de Gadot em Mulher-Maravilha 1984, a conheceu no Governors Ball em Los Angeles, há alguns anos. “Ela entra em um luga e você fica tipo, ‘Hum, essa pessoa é real?’ Mas ela é tão estranha da melhor maneira. E tão gentil, uma amiga tão leal e bonita. Quero dizer, as mensagens de texto e voz que ela envia me fazem rir tanto. Eles são o ponto alto do meu dia.

Patty Jenkins, que dirigiu os dois filmes da Mulher-Maravilha, me diz que homens, mulheres e crianças se aproximam dela com o que eles acham ser seu segredinho: estou apaixonado pela Gal. “[Eles ficam] Tão encantados por ela“, ela diz. “[É] Paixão à distância. E digo constantemente a todos: ‘A coisa chocante é: só fica mais forte quando você a conhece’. Você esquece completamente que ela é uma estrela de cinema.”

Uma tarde, telefonei para duas das melhores amigas de Gal em Tel Aviv: Yael Goldman, modelo e apresentadora de TV, mãe de três filhos, e Meital Weinberg Adar, que tem dois filhos e é dona de uma agência criativa de branding. “Eu era modelo e ela era modelo“, diz Yael, “e ela havia acabado de fazer o primeiro Velozes e Furiosos. Eu estava parada na rua; ela parou o carro, buzinou e disse: ‘Ei, Yael! Me dê seu número!’ Na verdade, ela simplesmente deu em cima de mim. Essa é a verdade.

Ela deu em cima de mim também!” diz Meital. “Isso é coisa dela. Eu sou a namorada dela“, e as duas riem. “Quando a conheci“, ela continua, “eu ainda estava tentando ser adulta – sou tão sofisticada, blá, blá, blá. Eu estava na defensiva. E a Gal simplesmente chegou e me desarmou. Normalmente você cresce e percebe, lentamente, que precisa ser bom, agradável e estar confortável com as pessoas e o mundo inteiro se abre para você, mas leva tempo para aprender isso. Mas, de alguma forma, Gal apenas tem isso dentro dela. Ela é muito pura e clara com as intenções dela. Ela te ama sem esperar por um sinal de que você a ame.

Enquanto percorremos Los Angeles no Hovercraft de Gadot, ela recebe uma ligação – essa do marido, Jaron. Ela responde com o termo israelense comum de carinho que não tem tradução para o inglês, mas soa como Mamãe. Eles conversam calorosamente em hebraico sobre seus horários e, depois, pergunto como os dois se conheceram.

No deserto, num tipo de festa de retiro de chakra/yoga. E ele estava todo descolado. Tipo, estávamos no mesmo grupo de amigos, mas eu não o conhecia e ele não me conhecia. E algo aconteceu desde o primeiro momento em que começamos a conversar. Quando chegamos em casa, eu fiquei tipo: ‘É muito cedo para ligar para você? Quero ter um encontro.’ Depois saímos e, no segundo encontro, ele me disse, ‘Vou me casar com você. Vou esperar dois anos, mas vamos nos casar.’ Eu fiquei tipo, ‘Tá certo.'”

Jaron se lembra mais detalhadamente. “Estávamos em um laboratório único: um retiro no deserto no sul de Israel. E eu e ela estávamos em um estágio de nossas vidas em que estávamos pensando sobre o que é o amor e o que é um relacionamento. Começamos a conversar às 22h, nos beijamos ao nascer do sol e ficamos de mãos dadas no caminho de volta à Tel Aviv. Naquele momento, estávamos colados. Foi lindo.

Gadot diz que sempre soube que queria ser uma mãe jovem – e para onde ela vai, a família vai também. Alma também está matriculada em uma escola em Londres, porque Gadot filmou três filmes lá em muitos anos, incluindo Morte no Nilo, que será lançado ainda este ano. O diretor, Kenneth Branagh, diz: “Tenho a sensação de que ela se sente muito segura em sua vida familiar: ela sabe o que são, quem são e que eles estão com ela. E acho que isso permite que ela seja aventureira e também fique à vontade em seu trabalho. Ela é uma pessoa séria, por isso sabe que o mundo é um lugar complicado e desafiador de tempos em tempos, mas existe um senso contínuo de diversão nela e parece sair da fonte da família. Ela está determinada aproveitar o que é esquecido pelo caminho e isso a torna uma energia excepcionalmente positiva para estar por perto.

Após a visita à escola de sua filha, Gadot nos leva ao San Vicente Bungalows, o mais novo clube exclusivo para membros de Hollywood. Existem muitas regras tolas aqui, incluindo a proibição de telefones com câmera, o que requer um ritual elaborado de confisco temporário de telefones de não-membros, para que eles possam ser cobertos com pequenos adesivos bonitinhos, destinados a desativar a câmera e o microfone.

Felizmente, o lugar é como um sonho, dolorosamente romântico, com flores e trepadeiras e guarda-sóis listrados de verde e branco. De fato, parece o tipo de local que você pode encontrar ao longo da praia em Tel Aviv. “Entende?” ela diz quando nos sentamos. “É como se estivéssemos em um encontro. E é o Dia dos Namorados!

Ouvi de um amigo que Gadot, o marido dela e o irmão dele, Guy, eram donos do hotel mais chique de Tel Aviv e que eles o venderam recentemente ao oligarca russo Roman Abramovich. Sim, diz Gadot. “Quando conheci Jaron, ele e Guy estavam morando na primeira casa que foi construída em Tel Aviv. É uma mansão enorme e linda, com pisos e arcos pintados e tetos muito altos, mas estava em um estado muito ruim.” Ela se tornou-se o Hotel Varsano. “Literalmente, uma caminhada de 30 segundos a pé de onde eu e Jaron morávamos“, ela diz. “Nós íamos para o hotel o tempo todo. Foi… divertido.

Três anos atrás, Jaron vendeu todo o seu portfólio imobiliário, incluindo o hotel, e ele e Gadot se mudaram para Los Angeles, quando ela estava grávida de cinco meses de Maya. Agora Jaron era quem estava sem ter o que fazer e Gal lhe disse: “Você é um construtor. Construa filmes.” E, então, uma noite eles jantaram com Annette Bening, que incentivou os dois. “Vocês dois pensam e falam tão bem sobre fazer filmes“, disse ela. “Vá e encontre projetos incríveis.” Agora eles são parceiros em uma empresa de produção ambiciosa, a Pilot Wave, com 14 desses projetos em várias etapas de desenvolvimento.

O mais intrigante (e primeiro) é uma série baseada no livro  Hedy Lamarr: The Most Beautiful Woman in Film (Hedy Lamarr: A Mulher Mais Bonita do Cinema, em tradução livre. Não há tradução do livro para o português.), sobre uma estrela de uma época mais glamourosa, com sua trilha sonora de Tommy Dorsey e serviço de mesa engomado. Lamarr nasceu na Áustria e teve uma breve carreira na Checoslováquia, antes de fugir para Paris e depois para Londres, onde ela foi descoberta por Louis B. Mayer, que lhe deu um contrato de cinema em Hollywood. Gadot, cuja família da mãe é tcheca e polonesa e de seu pai, austríaca, russa e alemã, parece ser a pessoa perfeita para interpretar Lamarr.

Portanto, não demorará muito até que Gal Gadot seja libertada, finalmente, das restrições e da gama limitada das franquias de perseguição de carros e sucessos dos quadrinhos. Mas, primeiro, Mulher-Maravilha 1984, que assisti cerca de meia hora, sob supervisão, no lote da Warner Bros. Além de lhe dizer que é uma experiência abrangente e visualmente deslumbrante (e bastante barulhenta), admito que não faço nenhuma ideia do que se trata, exceto que se passa em 1984 (o ano antes de Gadot nascer), tem uma trilha sonora emocionante do New Wave e apresenta um cara oleaginoso que pode lembrá-lo de Donald Trump em seus dias de novato, mais inofensivos e inexperientes dos anos 80. Nem Jenkins e nem Gadot revelaram um único ponto da trama. “Ninguém sabe muito sobre o filme“, diz Wiig, “o que é uma loucura hoje em dia. É incrível que nada tenha vazado. Tudo o que você recebe da Warner Bros. é meio criptografado, tipo, seu computador vai explodir se abrir isso.

Parte do motivo da grande segurança no projeto é que o efeito Mulher-Maravilha foi enorme – especialmente para Jenkins e Gadot. “Isso mudou completamente minha vida“, diz Gadot. “De alguma forma, saiu em um momento em que as pessoas estavam realmente desejando por ele. Isso causou impacto. E Patty e eu tivemos muita sorte, eu diria, que o filme foi recebido do jeito que foi e foi lançado na época em que foi, e acho que nós, mesmo sem saber conscientemente, acertamos em vários pontos. Porque estava no nosso DNA – não precisávamos pensar muito sobre isso. Éramos duas mulheres que se importavam com algo e isso acabou no DNA do filme.

Sinto falta de ótimos filmes de grande sucesso que têm tudo o que você procura nas salas de cinema“, diz Jenkins. “Como humor, drama e romance… mas também peso e significado na narrativa. Então é isso. Eu pretendia fazer algo grande e grandioso, mas muito detalhado e minucioso. Mas também acho que a Mulher-Maravilha representa algo bastante incrível no mundo, então não vou dizer nada sobre o enredo, mas ela é uma deusa que acredita na melhoria da humanidade. Ela não está apenas derrotando bandidos – e isso tem muita relevância com os tempos em que vivemos agora.

Enquanto Gadot e eu estamos terminando nossos sanduíches de ovos, o lugar começa a se encher com a multidão do almoço e eu começo a olhar em volta para ver se há alguém notável. Começamos a conversar sobre a linha tênue entre admirar alguém de longe e estar deslumbrado pela sua presença. Por incrível que pareça, concordamos que nós duas ficaríamos nervosamente empolgadas se Barbra Streisand entrasse. Você deve ter um monte de jovens garotas que ficam um pouco loucas pela Mulher-Maravilha e por você, digo.

Sim, isso acontece muito“, ela diz. “Muito constantemente. Meus amigos me perguntam: ‘Você não se cansa disso? Esse é o seu momento, espaço e privacidade. Você não é a personagem.’” É verdade: no momento, a Mulher-Maravilha é mais famosa do que a atriz que a interpreta. E as meninas, pelo menos por enquanto, ficam deslumbradas não porque conheceram Gadot, mas porque esbarraram em Diana Prince, a semideusa amazona do Olímpio. “Eles se importam“, diz Gadot. “Isso teve um efeito neles; significou algo para eles. E só por isso eu me importo com eles e quero ouvir o que eles têm a dizer. Muitas vezes, trata-se de um efeito profundo que isso teve na vida deles. Normalmente, isso os levou a fazer uma mudança, algo que nunca fariam, a serem corajosos.

Um mês depois, em uma tarde em meados de março, Gadot me liga para falar sobre a nova realidade em que estamos vivendo. Praticamente todo mundo está em casa; o próximo filme de Gadot com a Netflix, Red Notice, que ela estava filmando em Los Angeles com Ryan Reynolds e Dwayne Johnson, foi colocado em hiatus. Seus pais, em Israel, cancelaram a visita, planejada há muito tempo, que eles fariam na Páscoa e que também seria a comemoração dos 60 anos de seu pai. “Sim, é claro que sinto falta da minha família“, ela me diz, “mas a maior prioridade para todos nós é ficar em casa, não se contagiar e não contagiar outras pessoas. Com toda a tristeza e toda a  grande… saudade que tenho, essa é a única coisa que podemos fazer agora.

Maya, sua filha de três anos, não entende o que está acontecendo. “Para ela, ela está de férias da pré-escola.” Sua filha mais velha, Alma, está mais ciente. “Mas falamos sobre isso de uma maneira segura“, diz Gadot. “Tentamos evitar assistir as notícias quando elas estão por perto. Então, agora, essa é a situação. Estamos tentando aproveitar o tempo junto que temos. As meninas não estão preocupadas. Eles se sentem seguras. Eu acho que as meninas vão crescer, sendo capazes de dizer aos filhos que eles viveram os tempos do corona. Mas estamos realmente tentando… como se chama isso? Hum… há um ditado. Deixe-me ver se consigo lembrar… Hum… é tipo… algo disfarçado?” Ela faz uma pausa por um momento e, quando estou prestes a respondê-la, ela encontra as palavras certas sozinha: “Bênção disfarçada.

Inicio » Ensaios Fotográficos | Photoshoots » 2020 » 004 | Annie Leibovitz [Vogue Magazine]