Há poucas semanas da estreia deste que é um dos maiores filmes de super-heróis de todos os tempo, Liga da Justiça está na edição de dezembro da revista inglesa SFX. A revista conversou com o elenco do filme em San Diego, durante a Comic Con deste ano, que falou mais sobre a dinâmica deste grupo de super-heróis e como foi trabalhar com dois diretores.

Confira a tradução de partes da matéria, feita pela nossa equipe.

Trabalho em equipe

Ben Affleck diz que a colaboração do elenco é como a vista pelos personagens dele, na telona. “É interessante, pois esse meio que é o tema do filme. É sobre os vários indivíduos e como é que eles se unem para trabalharem juntos, basicamente, e se ajudarem. Nem todos eles pulam no mesmo barco com a mesma missão, imediatamente. Há um processo através do qual Bruce Wayne está tentando recrutar pessoas e convencê-las da verdade da causa e que é importante que elas trabalhem juntas. Então, essa dinâmica é realmente uma grande parte do primeiro e segundo ato do filme. Funcionou dramaticamente.”

O ator que interpreta Batman continua, “Essa é uma dinâmica bem diferente do primeiro filme para Bruce Wayne, quando ele estava cheio de ódio e ressentimento e um tipo de raiva irracional pelo Superman. Aqui, ele realmente está no modo mais clássico da história do Batman, quando ele é mais heroico, tentando salvar e proteger as pessoas, tentando criar essa unidade. Isso foi uma coisa totalmente diferente. A ideia de que esse personagem está tentando formar uma equipe e fazê-los trabalharem juntos. Porque o Batman é um tipo de cara obscuro, conflituoso e que guarda as coisas. Então, foi um desafio para ele exteriorizar e tentar fazer com que todas essas pessoas trabalhassem juntas.

Gal Gadot completa, “É uma ótima oportunidade de ver todos esses rejeitados, todos esses estranhos, encontrarem um jeito de lutarem juntos pela justiça.

Com as novas cenas divulgadas de Liga da Justiça, é fácil identificar a Mulher-Maravilha e o Batman como sendo a figura da mãe e do pai do grupo de heróis. Ray Fisher concorda e diz rindo, “A mãe é super legal e o pai é muito rabugento.

Eu estava amamentando Ezra,” Gal Gadot brinca, em tom sério. “Acho que ambos são tipos muito alfa,” ela continua, falando sobre Bruce Wayne e Diana Prince. “Ambos lidam com o passado deles e ambos farão qualquer coisa para fazer um mundo melhor, combater o crime e lutar contra o mal. Então, temos muito em comum. É como o yin e o yang. Eles trabalham bem juntos. Ele tem tudo o que ela não tem, ela tem tudo o que ele não tem e eles trabalham pela mesma causa… Ela é mais calorosa, mais amorosa e aberta, e ele é mais sofisticado.

Durão, mas sofisticado,” completa Affleck. “Ele é um idiota. É um estereótipo total.

Os personagens

Sobre a luta que Batman enfrenta em Liga da Justiça, Affleck explica que “Bruce Wayne tem uma espécie de escuridão interior e cinismo que ele tem que superar para reunir a equipe dele.

A Mulher-Maravilha,” diz Gadot, “tem 900 ou 3000 anos, dependendo de quem você está ouvindo. Por causa disso, ela é muito solitária. Ela teve muita perda durante todos esses anos.

Barry,” diz Miller sobre seu personagem, “despreza costumes sociais e burocracias demoradas.

Aquaman,” adiciona Momoa, “não é nem o Aquaman ainda. Ele não é o Rei dos Sete Mares. A gente não chega nisso até o meu filme solo, no final. Realmente, é um grande crescimento para mim. É um arco gigante para o Arthur Curry. Pode ser duro para muitos fãs assistirem o que eles verão, como eu o interpreto. Mas vocês têm que esperar até termos o filme solo para realmente saber. Porque ele ainda não é rei. Ele não acredita em si mesmo, ele não sabe o que fazer com os poderes que tem. Ele está passando por muita perda. Ele odeia os Atlantes. O fato das pessoas estarem chamando ele de Aquaman; no momento, ele não poderia ligar menos para qualquer coisa Atlante. Então, ele ainda não está lá ainda. Isso é um pouco difícil de mostrar. Temos que determinar a origem, [para] onde estamos indo. Algumas pessoas ficarão, ‘Esse não é o meu Aquaman’. Mas ainda não chegamos lá.

Dois diretores

Ben Affleck diz que o filme só se beneficia tendo dois diretores veteranos nele. “Seria difícil, para mim, encapsular o estilo de Zack de forma sucinta, ou o de Joss. Ambos têm um forte senso intuitivo de como uma cena deveria ser e eles pensaram muito sobre isso, muito tempo antes. Eu não tenho a impressão de que nenhum deles têm um estilo específico que sucede a maneira como eles querem contar a história. Eu acho que eles estavam focados nos personagens e na história e permitiram que isso ditasse o estilo. Claro, ambos têm um senso de estilo muito forte [e são] ligeiramente diferentes. Mas, contudo, ambos fazem filmes atraentes.

Joss só trouxe para o filme o que bons diretores trazem,” Affleck continua. “que é bom gosto. O senso do que vai dar certo na história e o que não vai. Um instinto para o realismo e para encontrar a humanidade nos personagens e no conflito e fazê-la acessível e relevante. Acho que isso é algo que ele fez muito bem em Os Vingadores, francamente. Ele realmente definiu o tom e pareceu que muitos dos filmes depois disso seguiram o tom que ele criou. Foi uma coisa muito complicada, quando você tem todas essas pessoas que podem fazer todas essas coisas fantásticas que são completamente absurdas, e, no entanto, um bom cineasta como Joss nos coloca dentro dela, nos faz identificarmos com eles e os faz parecerem reais e torna isso interessante. Muitos caras conhecem as histórias em quadrinhos, muitas pessoas têm essa base de conhecimento. O que Joss realmente tem é o talento.

Toda experiência é diferente, quando você trabalhar com diretores diferentes,” diz Gadot. “Eu acho que no fundo, todos e cada um deles tem a compreensão de como contar uma boa história. Então, sim, é claro que você sente a diferença, mas não de maneira ruim. Só porque são pessoas diferentes.

Inicio » Revistas | Magazines » 2017 » Dezembro | SFX Magazine