Gal Gadot é capa da edição de maio de 2016 da revista porto-riquenha Buenavida. Confira a matéria traduzida pela equipe do Gal Gadot Brasil.

A primeira vez que Gal Gadot chegou a Hollywood, ela tinha apenas um objetivo em mente. “Quando eu fui para Los Angeles, cada produtor, cada diretor de elenco, me fazia a mesma pergunta repetidas vezes: ‘Qual é o seu papel ideal?’ Eu respondia: ‘Isso não é importante, eu trabalho em qualquer gênero, não sou exigente. Mas tudo o que eu quero é a oportunidade de interpretar uma mulher forte, independente, em um filme de ação. Isso é o que realmente desejo. Acho que não me saí tão mal.” Isso é o que eu chamo de eufemismo.

Com apenas 30 anos, a ex-Miss Israel é agora uma das estrelas mais brilhantes de Hollywood, graças ao seu papel como Mulher Maravilha, no universo cinematográfico da DC Comics, de Zack Snyder. Afirma-se que ela assinou um contrato para oito filmes com a Warner Brios, que inclui três filmes da Mulher Maravilha como protagonista (o primeiro, em gravações atualmente em Londres), dois filmes da Liga da Justiça e sua primeira aparição em Batman v Superman – A Origem da Justiça (Batman v Superman – Dawn of Justice).

Superando a concorrência de Jessica Alba e Megan Fox, a atriz tem pouca experiência nas telonas, exceto pelo seu pequeno papel coadjuvante na franquiaVelozes e Furiosos (Fast & Furious) e contracenando com Tom Cruise, em Encontro Explosivo (Knight and Day).

Casada com o magnata imobiliário Yaron Varsano desde 2008, a esbelta e bela Gal teve uma carreira bem sucedida como modelo e miss, antes de se arriscar a atuar… E agora a indústria cinematográfica está a seus pés.

Em seu próximo papel, a veremos ao lado de Ryan Reynolds, no filme de suspense Mente Criminosa (Criminal), e com Jon Hamm, na comédia Keeping Up With the Joneses. A esperta estrela em ascensão nos assegura que aqueles que acham que ela é capaz de fazer somente um tipo de coisa se darão mal.

Simplesmente deslumbrante em um justo vestido branco e com o cabelo preso em um alto rabo de cavalo, Gal fala dessa sua oportunidade única e por que ela parece tão irreal.

Ela também nos conta sobre a reação de sua filha de quatro anos em relação ao trabalho da mãe e por que ela não acharia inconveniente que Alma seguisse seus passos. Além disso, a estrela fala sobre sua entrada para a atuação, como quase virou uma das Bond Girls, seu passado militar e como alcançar as expectativas.

Como se sente em ser a Mulher Maravilha?

É a melhor sensação do mundo. É uma oportunidade única na vida e estou muito grata que Zack confiou em mim para interpretar essa personagem de caráter icônico. Faz-me sentir muito bem. É uma grande honra interpretar alguém que acredita em tudo o que eu acredito: igualdade, verdade, compaixão, justiça… Além do mais, tenho a oportunidade de contar sua história. É alucinante.

Como se sentiu ao colocar o figurino pela primeira  vez?

Foi uau! Não podia respirar, eu estava super emocionada. E ele estava muito apertado, por isso eu não podia respirar muito bem, também. (risos) Na verdade, quando fiz a primeira prova do figurino, eu estava muito emocionada e gritando por dentro, na minha cabeça. Inclusive, enviei uma selfie para o meu marido sem dizer nada, pois com certeza eu teria problemas. (risos) Eu disse a ele, imediatamente “Apaga, apaga, apaga e apaga, você nunca viu isso!”. (risos) Porém, depois, esqueci de dizer para eles que estava muito apertado. Nunca reclamo e esse era o principal momento da prova de figurino. Eles me perguntaram por que eu não disse nada e o que eu pensava era: “Aqui estou, vestida como a Mulher Maravilha, em um dos melhores momentos da minha vida. Não vou começar reclamando.’

O momento quando você entrou no set com Ben e Henry foi impressionante, verdade?

Foi como uma experiência extracorpórea. Olho para a minha direita e ali está Ben Affleck vestido como Batman. À minha esquerda, vejo Henry Cavill como Superman, com a capa voando com o vento, foi incrível. Então, olho para baixo e sou a Mulher Maravilha… E no mesmo instante me pergunto: ‘Como isso aconteceu? O que está acontecendo em minha vida é tão fantástico que não sei explicar. Eu literalmente me belisquei. Tinha que saber que não estava sonhando.

Não sabemos muito sobre a Mulher Maravilha neste filme, existe um ar de mistério.

Esta é uma introdução a Diana, já que a ação gira em torno de Batman e Superman. Temos uma ideia de como ela é, mas não sabemos tudo dela e isso só aparecerá no filme extraordinário que estou filmando no momento. Ele explicará a sua transformação e por que ela não lutava há cem anos. Veremos por que ela esperou tanto antes de Batman e Superman começarem a lutar, por que ela enterrou a Mulher Maravilha em Diana e escolheu apenas viver como tal. Veremos por que ela não quer se envolver com esse mundo.

E como é o filme da Mulher-Maravilha?

É um sonho. (risos) É a experiência mais incrível. Patty Jenkins (Diretora) é uma das mulheres mais corajosa, tão cheia de ideias, inspiração e força. Ela é uma mulher maravilha. E o elenco, no todo, é perfeito, com Chris Pine, David Thewlis, Robin Wright, Connie Nielsen, a lista é longa… E sentimos que estamos trabalhando em algo muito especial.

Como sua vida mudou após conseguir este papel?

Trabalho muitas horas (risos) e eu adoro, mas chegamos lá. É incrível e emocionante ter a oportunidade de interpretar uma mulher que serviu de influência e inspiração para muitas jovens mulheres, mas o mais importante para mim é continuar sendo a mesma pessoa, não deixar que (o papel) mude quem eu sou e quem serei. Minha mãe, que é uma verdadeira mulher maravilha, me criou me ensinando que você tem que ser fiel a si mesma, que você tem que ser quem você é e que devemos ser fiel ao caminho que temos pela frente. E eu quero que minha filha tenha os mesmos valores.

O que sua filha acha do novo trabalho da mãe?

Bom, ela é muito pequena para conhecer a Mulher Maravilha, os detalhes significam pouco para ela. Ela está feliz achando que eu interpreto uma rainha, porque tenho uma coroa e isso faz dela uma princesa. Neste momento, sua vida está cheia de princesas.

Você ficaria feliz se ela seguisse os seus passos?

Como Mulher Maravilha ou como atriz?

Como atriz.

Por que não? É o que estou fazendo. Se a faz feliz, se é o que ela quer fazer, então, claro! No entanto, não a encorajaria neste momento, pois creio que isso a afasta de uma criação normal. Ela deve ir à escola, focar em crescer e ter uma vida normal quando puder. E, quando ela estiver grande o suficiente e souber aonde quer ir, então eu ficarei feliz com o que a faz feliz. É um mundo difícil e os atores têm que passar por tantas situações e dificuldades… Não é necessariamente o que você quer e espera para o seu filho. Mas o mesmo pode ser dito de muitas carreiras diferentes. Mas é fabuloso, você pode ter uma vida maravilhosa sendo uma atriz. Se ela decidir fazer isso, eu adoraria lhe dar todos os conselhos possíveis.

Como se aventurou em atuar?

Aos 19 anos eu participei de um concurso de Miss Israel e ganhei, o que foi um grande choque para mim. Não esperava, de modo algum. Na verdade, parte disso não era para mim.

Quais partes?

Os vestidos, os grandes sorrisos o tempo todo, mas foi uma grande plataforma de lançamento para eu poder começar a modelar. Eu era nova, estudava direito e relações internacionais… E ganhei um bom dinheiro para me sustentar. Então, um dia, recebi uma ligação do meu agente que me disse que um diretor de elenco de Londres viu minha foto e queria fazer um teste comigo para James Bond. Eu disse: ‘Não sei, não sou uma atriz.’ Ao que ele respondeu: ‘Por favor, faça isso, se não por você, faça por mim.’ Então eu fiz.”

Qual James Bond?

007 – Quantum of Solace (Quantum of Solace). Chamaram-me novamente, em seguida houve outra ligação e comecei a achar o processo bastante atraente. Pensei: ‘Atuar não é tão mau, de fato, estou gostando.’ Mas não consegui o papel. No entanto, um pouco mais tarde, consegui um papel em uma série de TV de Israel e alguns meses depois, a mesma diretora de elenco se lembrou de mim e me deu um papel em Velozes & Furiosos (Fast & Furious).

E essa é a primeira vez em que a maioria de nós pudemos assisti-la?

Essa franquia é uma parte muito importante da minha carreira. Isto é, o meu primeiro filme foi Velozes e Furiosos 4 (Fast & Furious) e eu devo muito a isso. É por isso que eu estou aqui, foi assim que eu comecei a trabalhar como atriz nos Estados Unidos.

Foi difícil fazer a transição de modelo para atriz?

Sim. Pelo menos em Israel, foi uma grande surpresa para muitas pessoas. Diziam: ‘Mas ela é uma modelo, o que ela faz metida em filmes e programas de TV e essas coisas?’ No começo, foi muito importante para mim mostrar que eu era profunda e apta, que eu sabia o que estava fazendo e que eu era talentosa. Creio que, com os anos, fui amadurecendo e agora não tento agradar a ninguém e faço o que faço porque eu gosto. E eu me sinto privilegiada de fazer isso, porque muitos atores apenas têm que viver e certamente é difícil.

Claro que também foi difícil quando, no início, você conseguiu o papel de Mulher Maravilha e houve uma grande reação na Internet.

Houve uma grande quantidade de ódio quando, no início, eu fui anunciada. Muito disso teve a ver com o fato de que eu era muito magra e isso me magoou… Mas logo me reergui, da mesma maneira que a Mulher Maravilha faria. (Risos) Eu sou magra, sou forte e estou em forma e quero representar o tipo de mulher forte e poderosa que todas as mulheres podem admirar. E, logo depois de mudar minha atitude, parei de ouvir todas essas vozes e todo o barulho ficou para trás.

Como você entrou em forma para isso?

Boot camp, campo de treinamento. Eu treinei durante nove meses, foi assim que fiquei em boa forma. Eu adorei, eu ganhei peso, massa e tono muscular. A minha postura melhorou. Sinto-me mais forte e mais em forma. Foi excelente.

Certamente você não teve qualquer problema, tendo em conta o seu passado militar.

É claro, me ensinou disciplina e responsabilidade e também me deu uma base em artes marciais e combate físico. Eu acho que estar no exército e, também, ser instrutora de ginástica me ajudou a ter confiança no aspecto físico.

Então, para você, qualquer cena de ação é moleza?

Eu não sei se é moleza. Às vezes, vejo as coisas que fiz na tela e penso, ‘Como me atrevi a fazer isso? Como fiz isso tendo uma filha? Sou uma mãe, eu fui tão irresponsável.

Como é equilibrar a luta de ser uma mãe com sua carreira?

É uma pressão. Você quer fazer um bom trabalho, quer ser uma boa atriz, uma mãe perfeita, uma esposa perfeita e quer ser tudo. É uma pressão fazer malabarismo, mas as mulheres são fortes e podem lidar com isso. Hoje em dia, existem mulheres que têm uma família e são capazes de dirigir todo um país. Uau, incrível.

Inicio » Revistas | Magazines » 2016 » Maio | Buenavida